24.12.15

HOSPITAIS FECHAM AS PORTAS E SÓ ATENDEM QUEM ESTÁ MORRENDO

ALCYR CAVALCANTI -

O Rio de Janeiro enfrenta uma das piores crises no sistema de saúde. Diretor do CREMERJ Pablo Vasquez afirma "que o Rio vive a pior crise de saúde de sua história", e que a culpa é da não aplicação do SUS, e acusa os governos federal, estadual e municipal como culpados pelo não atendimento em casos de urgência. A crise do sistema de saúde no estado não é nova, e se arrasta há vários anos.


Para médicos residentes do Hospital Getúlio Vargas a culpa é das Organizações Sociais-OS que fazem péssima gestão. A juíza Angélica dos Santos diz que houve omissão do Estado ao aplicar recursos financeiros indevidamente e dá um prazo de 24 para que haja verba suficiente para solucionar a grave crise. O secretário estadual Felipe Peixoto pediu demissão e que nunca teve verbas suficientes para poder trabalhar e diz que vai tratar integralmente de sua candidatura à prefeitura. A presidente Dilma Roussef que era esperada na cidade para solucionar a crise não veio, e se reuniu com ministros e governador do Rio por tele conferência. Foi instalado um "gabinete de crise" chefiado pelo ministro da saúde Marcelo Castro, e o prefeito do Rio de Janeiro Eduardo Paes vai emprestar R$ 100 milhões para resolver o problema em dois hospitais, mas disse que não vai poder emprestar equipes médicas aos hospitais em estado crítico. Enquanto isso o número de pessoas infectadas pelo mosquito do Aedes Egipt aumenta em progressão geométrica transmitindo dengue, zika, microcefalia em uma verdadeira calamidade pública vitimando milhares de pessoas. Até agora o número de infectados já passa de 60 mil pessoas.