24.12.15

POETAS E POESIAS DE ONTEM E HOJE

CELLY ADELINA -


Não são dias comuns, sequer os especiais conhecidos. São dias decisivos: sim e não; cessa o morno. Apesar do corpo saciado em sua materialidade, servirá à essência etérea. O trigo e o joio crescidos já se os pode apartar! Escolhas, colheitas, não mais aparências. Saciados e justificados não por grandes feitos, sim por Serem: Filhos da Luz, Seres d’Amor. Catarse e libertação; como Isaías, a quem o Senhor deu a língua erudita, e despertou todas as manhas para ouvir, como aqueles que aprendem.

Do Algoz, agora solta,
Asas renascidas ao voo.
Alada criatura;
O que te faz livre?
O que passará por tanta tribulação?
Ecoam n’alma, repetidas vozes: Luz do Amor,
Faz cessar as trevas.
Dividir o pão causou tamanha aversão!
Provocou tantas mentiras, repetidas muitas vezes,
Defendidas como absolutas e provadas verdades!
Das bocas só então saciadas.
Mas, é mais forte a Luz,
E do algoz agora solta,
Ela fica!