13.12.15

UMA DISPUTA INSOSSA, AMORFA E INODORA

CARLOS CHAGAS -


Ciro Gomes, devagar, vai abrindo espaços para o retorno. No caso,  quinze anos depois, pretende voltar a disputar a presidência  da República. De partido novo, o PDT, com a mesma mensagem: o país necessita de um plano diretor. De diretrizes em condições de apontar  rumos que nos façam recuperar o tempo perdido.

Não era para 2016 tornar-se um ano sucessório, mas dificilmente deixará de ser, depois da lambança encenada por Dilma Rousseff, em especial no segundo mandato, apesar de estar colhendo agora os efeitos do primeiro. Mesmo assim, o PT  não  deixará de concorrer com o Lula.

Michel Temer, se não for beneficiado pelo impeachment de Madame, posiciona-se como a bola da vez, no PMDB. Não há outro, afastada como parece a hipótese de José Serra mudar de partido.

Entre os tucanos, Aécio Neves ocupa a pole-position, com Geraldo Alckmin nos seus calcanhares. Nas pesquisas, o PSDB leva vantagem. Marina Silva insistirá. E mais um monte de  opções  indefinidas, como Ronaldo Caiado, Jair Bolsonaro e Joaquim Barbosa.

Desse leque capaz de revelar  outras surpresas até 2018,  salta a evidência do velho provérbio árabe de que “bebe água limpa quem chega primeiro na fonte”: a hora de os pretendentes à sucessão começarem a mostrar-se é agora, melhor dizendo, ano que vem. O vazio aberto pelo fracasso dos atuais detentores do poder impõe a todos os acima referidos o esforço não só de se tornarem conhecidos, mas de apontarem saídas para o impasse atual. Roteiros, planos e programas precisam ser elaborados, mostrados e comparados. Daí a antecipação do processo sucessório, mesmo num ambiente de descrença generalizada. O diabo é que não parece nada promissora a safra de candidatos. Inexiste, ao menos até agora, um nome capaz de empolgar, concentrando expectativas e até esperanças. Como milagres estão fora de moda, melhor parece que se inicie a disputa.  Mesmo insossa, inodora e amorfa.