11.1.16

POR QUE FOGO ANTECIPADO SOBRE JAQUES WAGNER

CARLOS CHAGAS -

Calcula-se que em política não há coincidências, valendo prospectar porque, de duas semanas para cá, o couro vem cantando no lombo do chefe da Casa Civil, Jaques Wagner. Afinal, seus dois mandatos no governo na Bahia, sua escolha para primeiro-ministro da presidente Dilma e sua performance no palácio do Planalto vinham sendo saudados como dos raros aspectos louváveis do PT e do governo.
De repente, desaba a tempestade sobre o personagem, com suposições de sua participação em maracutaias eleitorais e até referências na Operação Lava Jato.
Há que atentar para a evidência de que tudo acontece depois de o Lula perder altura como obvio candidato natural do PT à sucessão de 2018. No PT, registrou-se muita ebulição, com o próprio ex-presidente reagindo à crise econômica e sugerindo propostas que a presidente Dilma ignora. Ainda mais depois de referências ao seu filho mais novo em atividades pouco claras. Apesar de continuarem se encontrando com periodicidade, antecessor e sucessora divergem cada vez mais, com Jaques Wagner chefiando a resistência de Madame, peça fundamental para a queda de Joaquim Levy do ministério da Fazenda. A bolha estourou quando, entre parte dos companheiros, o principal auxiliar começou a ter seu nome lembrado como alternativa para a indicação presidencial. Muitos entendem tratar-se de um sacrilégio, além de uma hipótese quase impossível o afastamento do Lula. Mesmo assim, incomoda. Eis a coincidência, em especial quando Wagner colocou em campo um exército de coelhos. De seu próprio partido foram disparados petardos, claro que também acionados de trincheiras variadas.  Existem ministros felizes com a blitz. Da mesma forma, gente no PMDB, para não falar das oposições.
Não tivesse o ex-governador sido mencionado como alternativa sucessória e não estaria sendo alvo antecipado.
OS RICOS E OS POBRES
O passado costuma sempre apontar o que devemos evitar, mais do que o que fazer. Há exceções, no entanto. Will Durant, na sua magistral “História da Civilização”, conta que nos séculos de Augusto a Marco Aurélio, na maioria das municipalidades da península, assembleias escolhiam os governantes, magistrados e demais autoridades. Só que eles se obrigavam a dar às cidades apreciável quantidade de dinheiro em troca do privilégio de servi-las. O costume determinava que fizessem donativos para o bem público. Os cargos não tinham remuneração, e além de obras públicas como estradas, pontes, aquedutos e bibliotecas, também teatros, jogos, templos, e banhos eram por conta da municipalidade. É claro que a aristocracia unia-se à oligarquia, em detrimento da imensa maioria de pobres, mas nunca o rico fez tanto pelo pobre, até fornecendo viveres grátis em tempos de carestia. Em retribuição as cidades votavam aos doadores estátuas e inscrições. Os pobres não se entusiasmavam muito, pois acusavam os ricos de haver enriquecido às custas deles e pediam menos edifícios belamente ornados e mais trigo em conta.
A diferença é de que dois mil anos depois dos romanos assistimos autoridades, magistrados e governantes não apenas muito bem remunerados, mas continuando a prática do enriquecimento às custas do conluio entre aristocratas e oligarcas. Só que o rico, agora, faz muito menos pelo pobre...