1.2.16

COMEÇOU O "CARIOCÃO", DUPLA FLA-FLU DECEPCIONA

ALCYR CAVALCANTI -

Começou o Campeonato Estadual de Futebol, que já foi chamado de "Campeonato Mais Charmoso do Brasil", mas que atualmente acompanha a confusão geral em que o país está mergulhado e começou aos trancos e barrancos com joguinhos de pouca expressão. O torneio é dividido em duas chaves, Grupo A com Vasco e Fluminense mais seis clubes  e Grupo B com Botafogo e Flamengo com outros seis clubes em um total de dezesseis times.

O campeonato começa esvaziado, com a concorrência de um Torneio chamado Primeira Liga, entre clubes de vários estados, com Flamengo e Fluminense participando. O problema é que em um calendário mal feito e com número excessivo de jogos, a Primeira Liga soa como um caça-níquel, para tentar cobrir o enorme rombo de caixa a que os clubes brasileiros estão submetidos com raríssimas exceções. Em algumas ocasiões estão previstos jogos dos dois campeonatos em dias consecutivos, ou mesmo na mesma data, o que vai esvaziar os dois torneios e a longo prazo acabar de vez os campeonatos estaduais. No Rio de Janeiro um campeonato com 16 clubes é inviável, mas a Federação através de seu presidente Rubens Lopes,  o Robinho, mostra-se irredutível, necessita do voto dos clubes de menor expressão, com elencos muito pouco competitivos.

Na primeira rodada do estadual, Botafogo e Vasco venceram seus adversários com tranquilidade, mas Fluminense e Flamengo com elencos milionários decepcionaram. O tricolor perdeu de forma bisonha para o Volta Redonda, e abriu uma crise em sua diretoria. Alguns diretores pedem a cabeça do treinador e de alguns jogadores que não se empenharam. Seu maior astro o atacante Fred, não tem feito jus ao salário que recebe, não tem jogado absolutamente nada. O Flamengo com elenco milionário e um técnico vencedor, Muricy Ramalho não demonstrou nenhum progresso em relação ao ano de 2015 e empatou com um time "salário mínimo", o Boavista. Só o salário de seu super astro Paolo Guerrero supera a todo o time do Boavista. São coisas do futebol brasileiro, que já foi cinco vezes campeão e agora vive do passado.