1.2.16

DENTRO DE CAMPO OU FORA DELE, NADA ACONTECERÁ ENQUANTO A SOCIEDADE NÃO SAIR DO ANESTÉSICO

WILSON DE CARVALHO -


Há mais de um mês, tenho evitado fazer qualquer tipo de comentário nas redes sociais, pois sou perfeccionista, verdadeiro mala e tenho a fama de só saber criticar, o que não é verdade. Estou cansado, acredito que todos nós, de tanto protestar e mostrar a nossa indignação com esse país dirigido por quadrilhas, salvo raríssimas exceções. E o que é mais criminoso, exterminando na área da saúde. Sem que nada aconteça.. Até a sociedade sair do anestésico.

Mas hoje, não resisti e voltei indignado para falar de futebol e de colegas da imprensa esportiva. Quebrei a decisão. Em primeiro lugar, não aguentei ouvir Muricy, após o empate do Flamengo com o Resende, em Edson Passos, onde estive, apresentar a desculpa do gramado: “muito fofo, precisa ser aparado para o próximo jogo”.

Demais, principalmente para mim, repórter em vários jornais e em Copas do Mundo, na época dos anos de ouro do futebol. E autor da maioria das crônicas dos clássicos no Maracanã. Com conhecimento de causa: participante de campeonato de futebol de praia. Ora. Sr. Muricy, se o gramado estava fofo, era só para o Flamengo?

E a falha do Wallace no gol do Resende, que você, pasmem, defendeu o jogador? “É difícil a bola que vem da linha de fundo”. Francamente. Sabe o que acho, Muricy? Você acordou para a realidade da “mulambada” do time rubro-negro, salvo raríssimas exceções como o goleiro Paulo Vitor, Paulo Guerreiro e o ausente Sheik. Francamente, Sr.Muricy, competente, sim, mas não milagroso.

Com relação à mídia esportiva, em grande parte, incompetente e desconhecedora do que realmente é futebol, ouvi na CBN, hoje pela manhã, que Muricy falou do gramado “irregular” e não apenas fofo. Jamais ruim ou irregular, conforme insinuou o repórter da CBN. O América caprichou tanto na recuperação do gramado que até negou o estádio para a festa de final de ano da Prefeitura de Mesquita.

O que, segundo se apurou, motivou a tentativa de interdição com ameaça de desastre. Tanto que houve o jogo e tudo correu normalmente dentro e fora de campo, com mais de sete mil pessoas e sobra de muitos lugares. Disso ninguém falou. O gramado, Muricy e CBN, se comparado ao do Volta Redonda, onde o Fluminense perdeu ontem, por 3 a 1, não foi considerado culpado. A culpa Muricy e CBN, foi da outra “mulambada”, a tricolor.

Se compararmos antigos campos como os do Bangu, Madureira, Olaria, Ítalo Del Cima, Caio Martins, entre outros, onde os chamados grandes jogavam bem e ganhavam, ridícula a desculpa. A diferença é que os gramados recebiam Zico, Rivelino, Paulo César Caju, Eduzinho, Roberto Dinamite, Jairzinho, Tostão, Leandro, Adílio, Carpegiani, Romário, entre muitos outros craques como Garrincha, Didi, Gerson e Nilton Santos, que dizia: “se o campo é ruim, melhor para nós, que temos mais habilidade para evitar os buracos”. Valeu, Muricy e colegas da CBN?