23.2.16

LAVA-JATO: CAMPANHA “O PETRÓLEO É NOSSO!” ÀS AVESSAS

EMANUEL CANCELLA -

“Eu não acho que exista um combate à corrupção, existe uma guerra declarada ao Partido dos Trabalhadores”. Delegado da PF, Armando Coelho Neto.


Mais um vazamento seletivo da operação lava Jato, agora contra o marqueteiro do PT. E os outros marqueteiros dos outros partidos  vão ser investigados, ou só o do PT é suspeito?

A Força tarefa que compõem a Lava Jato já foi denunciada pelo Delegado da PF, Armando Coelho Neto, Ex presidente da Assoc. dos Delegados da PF: “Eu não acho que exista um combate à corrupção, existe uma guerra declarada ao Partido dos Trabalhadores”.

A corrupção na Petrobrás esta a dois anos sendo investigada pela lava Jato. Mas muito antes da Operação o Sindicato dos Petroleiros do Rio já denunciava. Fizemos em frente à sede da companhia o enterro simbólico de todos os presidentes da Petrobrás no governo do PT, inclusive do atual Aldemir Bendine  e de vários diretores e gerentes da companhia.

Mandamos denúncias para o MP, PF e entramos com ações na justiça que resultaram em nada, e muito pelo contrário, vários diretores do sindicato responderam processo na justiça por conta das denúncias e foram ameaçados de prisão. Os atos contra a direção da empresa eram por conta do desrespeito aos aposentados, não cumprimento do acordo coletivo de trabalho da categoria, corrupção e contra o desmonte da Petrobrás. Tudo documentado e fotografado a disposição da sociedade, não é verdade que só agora a empresa está sendo investigada. Não temos compromisso com corruptos e corruptores, queremos todos eles na cadeia. Aliás, pela primeira vez isso está acontecendo no Brasil.

Mas é muito estranho que escândalos financeiros como o Zelotes, Swissleaks infinitamente maiores que o da Petrobrás não tenham nenhuma operação da PF prendendo diretores, vazando para a imprensa, invadindo residências, prendendo computadores, cofres etc. Aliás fica claro quando o vazamento seletivo vaza para a Globo que juntamente com a Band, Folha, Grupo RBS, Editora Abril responsável pela Veja estão citados no Swissleaks, empresas com contas na Suíça para Lavagem de dinheiro.

O Swissleaks não é vazamento seletivo que depois é desmascarado, como aquele que juiz Moro, com o claro intuito de desgastar o governo Dilma, disse que faltaria dinheiro na PF para a Lava Jato desmentido pela própria PF que disse, se contrapondo a Moro, que havia dinheiro de sobra.

E também veio de Moro, que chefia a lava Jato, na véspera da eleição que Lula e Dilma sabiam da corrupção na Petrobrás, o que foi desmentido pelo advogado do delator.

O Juiz Sérgio Moro ganhou prêmio da Globo, como homem que faz a diferença, e faz: Grampos Ilegais, delações seletivas, prisões ilegais, blindagem aos tucanos. O restante da Força tarefa: Os delegados fizeram campanha pelo candidato Aécio Neves, inclusive no blog de campanha chamaram Lula e Dilma de Anta.

Os procuradores que hoje compõem a operação Lava Jato no governo do tucano, de Fernando Henrique Cardoso combatiam o PGR, Geraldo Brindeiro, conhecido pela imprensa como “Engavetador Geral da República” nomeado por FHC. Esse grupo se auto denominou “tuiuiui” pássaro do Pantanal Mato Grossense que não consegue levantar vôo e eles se auto denominaram por não conseguir investigar.

E Hoje com liberdade para investigar, esses procuradores blinda o PSDB que apesar de inúmeras denúncias nenhum tucano foi investigado e preso, inclusive o governo de FHC na Petrobrás onde o próprio em livro reconhece que havia corrupção na Petrobrás, nem assim é investigado.

O juiz Moro ainda teve a coragem de convocar os promotores americanos para investigar a Petrobras. O que seria a legalização da espionagem. O mesmo Moro não mandou nosso procuradores investigar a petroleira americana Chevron que segundo denuncias do Wikeleaks em 2009 interceptando a troca de comunicados entre a petroleira e o candidato, tucano José Serra. Nessa correspondência, Serra prometia beneficiar a Chevron em prejuízo da Petrobrás.
A lava Jato, não quer acabar com a corrupção, eles segundo o delegado da PF, querem acabar com o partido dos trabalhadores e começa ficar claro para os petroleiros, que eles querem entregar a Petrobrás.

*Emanuel Cancella é coordenador do Sindicato dos Petroleiros do Estado do Rio de Janeiro (Sindipetro-RJ) e da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP).