8.5.16

A "GUERRA DO TRÁFICO" CHEGA AO CENTRO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

ALCYR CAVALCANTI -


O Morro da Providência localizado no Centro da Cidade do Rio de Janeiro tem uma importância histórica. A primeira favela foi ali formada em 1897 por ex-combatentes da Campanha de Canudos que invadiram a área cansados de esperar pelas promessas dos governantes em relação à moradia, então formaram um conjunto de 839 casas para viver com suas famílias. Desde o inicio as áreas conhecidas como favelas passaram a ser consideradas como problemas para os sucessivos governantes e solução de moradia para os despossuídos. Hoje são mais de 950 com uma população em torno de mais de dois milhões de moradores, algumas com maior número de habitantes do que muitas cidades em todo o Brasil. Estive algumas vezes no alto da Providência há alguns anos atrás para entrevistar e registrar imagens de um dos fundadores da rede criminal Comando Vermelho, Paulo César Chaves que residia na favela, que foi seu reduto durante suas idas e vindas pelos diversos presídios cariocas. Na primeira vez que estive na favela, embora acompanhado do Paulo Cesar fui monitorado, mais de uma vez vinha um olheiro para conversar e verificar o que estava fazendo para comunicar ao "chefe do morro". Tive com PC longas conversas, ele  foi o personagem do livro "O Bandido da Chacrete" do jornalista e escritor Júlio Ludemir que tratava da saga de um bandido que ascendeu ao topo da maior rede criminal, e de sua decadência, inteiramente debilitado após anos e anos de sofrimento nas condições sub humanas de encarceramento.

O Morro da Providência foi um dos morros invadidos pelas forças de segurança e depois ocupado por uma Unidade de Pacificação-UPP pela sua posição estratégica, localizado próximo à Central do Brasil, à sede da Secretaria de Segurança, ao Comando Militar do Leste e a uma das principais vias de acesso, Avenida Presidente Vargas e à região do cais do porto, chamado "Porto Maravilha". O Morro foi também fruto de invasões sucessivas, mesmo depois da implantação de uma UPP que não conseguiu desbaratar o intenso tráfico de drogas na região. Em uma de suas entradas, perto do túnel e bem próximo ao teleférico inaugurado há pouco mais de dois anos, o número de usuários de crack é considerável, apesar da localização. Desde quinta feira dia 05 de maio quando houve uma invasão de policiais do Batalhão de Operações Especiais alguns deles em uma Kombi, que seria para camuflar a operação e pegar bandidos desprevenidos, os marginais reagiram e foi iniciada intensa troca de tiros que teve como resultado seis mortos, entre eles um sargento  do BOPE e vários feridos. A operação mal sucedida era a continuação de um levantamento feito anteriormente que filmou narcotraficantes em ação. Após a morte do sargento grande contingente do BOPE ocupou o Morro da Providência para prender traficantes. Alguns especialistas em segurança admitem que houve um erro operacional,  que o levantamento foi mal efetuado e que deve ter havido um aviso aos traficantes de mais  uma  invasão. O secretário Mariano Beltrame no sepultamento do policial declarou que "as operações vão continuar e que quem atirar em policial vai levar tiro", o que parece vai intensificar as operações bélicas na "Guerra do Tráfico".