3.6.16

AÇÕES SINDICAIS: SINDICATO DOS COMERCIÁRIOS DE SÃO PAULO ENTREGA PAUTA DE REIVINDICAÇÕES A SETOR PATRONAL; GRÊMIO FOOT-BALL PORTO-ALEGRENSE DEMITE SINDICALISTAS

Via COMERCIÁRIOS-SP -

Na manhã desta quinta-feira, 2 de junho, o vice-presidente do Sindicato dos Comerciários de São Paulo, José Gonzaga da Cruz, entregou a pauta de reivindicações da Campanha Salarial 2016/2017 ao vice-presidente da Fecomercio-SP, Rubens Torres Medrano.


“Em nome de todos os comerciários e comerciárias da capital paulista, entregamos ao setor patronal a pauta com os direitos dos trabalhadores.  Entre as principais pretensões de nossa proposta, estão o INPC, um piso mínimo de R$ 1500, convênio médico e cesta básica. Esperamos que os patrões sejam flexíveis e ágeis nas negociações. Se conseguirmos definir o mais rápido possível o percentual a ser válido a partir da data-base, que é 1º de setembro, podemos, inclusive, antecipar parte desse valor, ou seja, a partir do momento que estiver decidido o percentual de aumento, parte dele pode ser paga até mesmo antes de setembro. Com isso, todos ganham – patrões e empregados, pois a economia volta a girar. Quanto mais dinheiro no mercado, mais compras, mais empregos, mais lucros e assim por diante”, explicou Gonzaga.

O próximo passo será um novo encontro entre as duas entidades em um prazo aproximado de uma semana, após a análise da pauta pelo Fecomercio.

AÇÕES ANTERIORES da Campanha Salarial 2016/2017

LANÇAMENTO: A Campanha Salarial 2016/2017 foi lançada pelo Sindicato no dia 16 de maio. Durante uma semana, além das urnas para votação na sede, nas subsedes e no Ambulatório do Sindicato, os dirigentes, a militância e os sindicalizadores da entidade foram às ruas, com urnas itinerantes, coletar votos dos comerciários para definir as cláusulas da pauta, isto é, os principais benefícios e direitos a serem reivindicados.

No total, foram coletados cerca de 14 mil votos e as principais reivindicações são:
- reajuste do INPC + aumento real;
- vale-refeição e alimentação;
- cesta básica;
- PLR (Participação nos Lucros e Resultados);
- saúde e segurança do trabalhador;
- valorização do piso da categoria;
- vale-cultura.

ASSEMBLEIA: O Sindicato dos Comerciários de São Paulo realizou, no dia 24 de maio, em sua sede, a Assembleia Geral da Campanha Salarial 2016/2017.
“Vamos em busca de cada um dos itens. O que está em jogo é o direito e a dignidade de 500 mil trabalhadores do comércio de São Paulo. Quinhentos mil cidadãos que trabalham no setor que mais faz a economia crescer”, disse Ricardo Patah, presidente do Sindicato dos Comerciários de São Paulo e da UGT (União Geral dos Trabalhadores).
                                                           ***


GRÊMIO DEMITE SINDICALISTAS
(Via UGT)

Quando todos pensavam que a recusa de reajustar salários desde maio de 2015 seria o mais grave desrespeito contra empregados do clube, a diretoria do Grêmio Foot-Ball Porto-Alegrense cometeu um supremo desatino.

Sem motivo que justificasse “justa causa”, como ato de improbidade, incontinência de conduta ou mau procedimento, o Grêmio demitiu três funcionários que exercem cargo de representação sindical, delegada pela classe ao Sindicato dos Empregados em Clubes e Federações Esportivas do Rio Grande do Sul (SECEFERGS), confrontando o artigo 8º da Constituição brasileira, que assegura a liberdade de associação profissional ou sindical, compreendida no direito de constituir sindicato, mas também o exercício das atividades sindicais, no sentido amplo, e que proíbe os atos anti-sindicais.

Ao classificar a prática “tão antiga quanto atrasada”, Miguel Salaberry Filho, presidente do sindicato, acentua que o papel do dirigente sindical consiste em lutar para melhorar os salários e as condições de trabalho.

O sindicalista lembra que a proteção contra os atos anti-sindicais está intimamente ligada à liberdade sindical e que faz parte dela, apontando os preceitos legais brasileiros e internacionais que amparam o direito à livre associação e divulgação dos princípios sindicais.