6.6.16

POETAS E POESIAS DE ONTEM E HOJE

Por CELLY ADELINA -

Já não me cabe a dor.
Tenho fé o bastante.
para crer que virá à Luz
a Verdade do Amor.


AMADA
Abro a janela,
dia novo
Onde tudo está bem;
No morno de um povo.
A mídia traz boas notícias;
Grandes mentiras.
Nas ruas se multiplicam
Braços operários
que pagam o preço
Caviar
Regado à miséria
de muitos.
Uma lágrima  presa
Na garganta sangra
Da Hipocrisia
entorna
Na bolsa,
valores perdidos
Nas ruas
censuradas de um globo
Feito punhal  
em seu traiçoeiro golpe
Que do peito ejeta.
Luto.
Luto! Esperançar tua Volta.
Não a queriam  amada.
Mas, Volta e fica!
Nossa  fé
Enlouquecida
Esperançando tua volta.
Mulher, 
Amada.