6.7.16

APOSENTADOS E PENSIONISTAS DA PETROBRÁS DEBATEM NO SINDIPETRO-RJ

Via Agência Petroleira de Notícias -

A Secretaria de Aposentados, Pensionistas e Previdência do Sindipetro-RJ realizou nesta terça-feira (5) mais uma de suas reuniões mensais.


Em pauta, os seguintes informes: encaminhamentos dados pelo Depto Jurídico sobre o VPDL 1971 e as ações de RMNR, cujos processos estão em andamento; o congresso do Sindipetro-RJ,  marcado para o próximo sábado (9), para a escolha dos delegados para o 10º Congresso Federação Nacional dos Petroleiros – FNP, que acontece entre os dias 21 e 24 de julho em Macaé-RJ; o recebimento de inscrições para a Plenária Nacional dos Aposentados da FNP que também será realizada no congresso anual da federação; o posicionamento do Sindipetro-RJ e  da FNP sobre a reportagem do Programa Fantástico da TV Globo que apresentou uma matéria tendenciosa e manipuladora sobre o Beneficio Farmácia oferecido pela Assistência Multidisciplinar de Saúde (AMS) da Petrobrás.

“Infelizmente, a grande mídia distorce muitas informações e sentidos, a partir de algumas falas com o intuito de manipular informações. Essa reportagem da TV Globo sobre esse problema do Benefício Farmácia representa bem isso. Dizer que uma pessoa compra remédio para seu animal (cachorro) só com o nome é brincadeira. Pois toda receita a ser utilizada no uso do benefício em qualquer compra precisa ter a apresentação da carteira do usuário, o registro do Conselho Regional de Medicina (CRM) do médico que a emitiu com a respectiva matrícula, e essa mesma receita é nominal deve ser em nome do beneficiário, podendo a compra ser efetivada pelo companheiro ou companheira do beneficiário ou dependente incluído no BF” – disse Roberto Ribeiro, diretor da Secretaria de Aposentados, Pensionistas e Previdência do Sindipetro-RJ e da FNP.

Outro tema importante abordado na reunião foi a situação do fundo de pensão Petros. O conselheiro do fundo, Paulo Brandão fez uma apresentação de mais de 40 minutos na qual explicou como se formou o déficit de 27% apresentado no exercício de 2015. O déficit total do PPSP em 2015, no valor de R$ 22,6 bilhões, deverá ser excluído o limite de tolerância denominado Limite de Déficit Técnico Acumulado - LDTA, de R$ 6,5 bilhões, resultando em um montante a ser equacionado de R$ 16,1 bilhões, dividido igualitariamente entre os patrocinadores (50%) e os participantes e assistidos do Plano (50%), conforme regra paritária estabelecida na Constituição Federal pela Emenda Constitucional nº 20/1998.

“É preciso ter tranquilidade e queremos deixar isso bem claro. A situação hoje não pode ser considerada alarmante. O déficit atual se faz por conta da atual conjuntura econômica. Ninguém vai mexer nas aposentadorias e pensões atuais. Já tivemos situações piores como em 1987 quando o déficit chegou a 127% do patrimônio líquido do Petros” – afirmou Brandão ao explicar os números do fundo de pensão dos funcionários do Sistema Petrobrás.

A próxima reunião dos aposentados está agendada para o próximo dia dois de agosto, na primeira terça-feira do mês.