17.8.16

TERCEIRIZAÇÃO DA MÃO DE OBRA EM POSTOS DE COMBUSTÍVEIS PODE AFETAR AS VENDAS

Via SINPOSPETRO-RJ -


Para economista Jéssica Naime do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), a proposta de terceirização em tramitação no Congresso Nacional vai precarizar ainda mais a mão de obra no Brasil. Em palestra, na semana passada, para os diretores dos Sindicatos dos Frentistas do Rio de Janeiro, Campos dos Goytacazes e Niterói, ela disse que a terceirização infelizmente é uma dura realidade, praticada principalmente em setores onde as atividades são periculosas como: postos de combustíveis e elétrico.

Segundo Jéssica Naime, estudo elaborado pelo DIEESE  sobre o setor elétrico mostra que 90% das mortes nos acidentes de trabalho são de funcionários terceirizados. Ela disse que a terceirização no setor elétrico teve início com a privatização das empresas. O número de terceirizados no setor elétrico é maior que os de funcionários próprios das empresas. Do total de empregados, 55% são terceirizados.

Para ela, a terceirização tem como objetivo desmobilizar a classe trabalhadora. Os empregados próprios, historicamente, têm mais condições de resistir as ameaças  aos direitos trabalhistas. As empresas  terceirizam os departamentos para fazer o ajuste de custo e cortam investimentos na segurança e na saúde no ambiente laboral.

A economista afirma que as grandes vítimas da terceirização são os trabalhadores e  os consumidores. As e empresas adequam seus lucros com a precarização da mão de obra e o consumidor perde na qualidade do serviço.

POSTOS DE COMBUSTÍVEIS

No setor de revenda de combustíveis no varejo, a terceirização é maior nos postos de bandeira branca. A disputa acirrada das distribuidoras pelo mercado de combustível, obriga essas empresas a oferecerem vantagens para fechar parcerias com os postos. Entre a vantagem oferecida pelas distribuidoras está: o treinamento de funcionários- seja para atender a NR 20- ou para garantir que se tenha a frente do posto um trabalhador treinado para comercializar os produtos.

Jéssica Naime destacou que a terceirização da atividade-fim no posto de combustível  pode comprometer  a relação com o distribuidor e afetar as vendas.

PROJETO
O projeto foi aprovado pela Câmara, no início do ano passado, permitindo que empresas privadas contratem funcionários terceirizados para qualquer tipo de atividade.

Antes de seguir para o Senado, onde tramita ainda, o texto recebeu alterações como a que esclarecia que podem ser contratadas como terceirizadas cooperativas, empresas individuais, sociedades e fundações.

Conforme levantamento feito pelo DIESSE, apesar dos ajustes feitos em 2014 e 2015 pelas principais centrais sindicais para fechar alguns pontos comuns sobre a terceirização, o movimento sindical ainda está dividido sobre a questão.

*Estefania de Castro, assessoria de imprensa Sinpospetro-RJ.