15.9.16

UM EMPATE QUE SATISFAZ

Por JUCA KFOURI - Via blog do autor -

O Palmeiras fez do que pareceu um erro um grande acerto: ninguém esperava que Gabriel Jesus pudesse jogar. Mas pôde.
Já o Flamengo mostrou audácia ao pressionar o anfitrião nos cinco primeiros minutos e impôs respeito.
Criou as melhores chances até que, por rigor excessivo, o assoprador de apito deu segundo cartão e tirou Márcio Araújo do jogo que não era o que esperava e que ficou prejudicado pela expulsão.
Zé Ricardo optou por tirar Diego e botou Cuéllar.
Então quase acontece uma enorme lambança no fim do primeiro tempo.
Réver pegou dentro da área o tiro de meta, sofreu falta de Gabriel Jesus que o desarmou e quase abriu o placar, não fosse uma grande defesa de Alex Muralha. 
Cuca voltou com Barrios no lugar de Gabriel.
O Palmeiras alugou meio campo.
Nem precisava porque, afinal, o campo é dele…
Aos 13, Cleiton Xavier substituiu Roger Guedes.
O que era ótimo para o Flamengo, o empate, deixou de ser bom para o Palmeiras.
O Flamengo respondeu com Alan Patrick no lugar de Gabriel.
E, imediatamente, aos 17, ele recebeu um passe precioso de Everton e fez 1 a 0.
Com 10 contra 11!
E quase ampliou quatro minutos depois em contra-ataque, quando faltou capricho.
Então saiu Tchê Tchê e Rafael Marques entrou. Tudo ou nada!
“O Louco Cuca” é assim, não tem meio termo.
E o Palmeiras perdia Vitor Hugo e Gabriel Jesus para o Dérbi de sábado, em Itaquera, pelos terceiros cartões amarelos.
O time de melhor campanha em casa perdia e o de melhor campanha fora, vencia.
Vencia e era mais perigoso.
Marcelo Cirino substituiu Everton, diante de mais de 32 mil torcedores.
Ônibus rubro-negro estacionado na entrada da área não permitia chances ao líder do Brasileirão.
O Flamengo sentia mais forte o cheirinho do hepta.
Mas ainda tinha tempo pela frente.
E, aos 36, o menino Gabriel Jesus pegou um rebote de fora da área e soltou a bomba depois de se livrar de Pará e empatar.
Tudo igual em campo, tudo como antes na tábua de classificação.
Mas ainda havia tempo para a virada.
Que não veio.
O empate acabou sendo bom para os dois.
Tudo aberto no Brasileirão!