11.11.16

1 - TSE MARCA ACAREAÇÃO PARA EXPLICAR CHEQUE DE R$ 1 MILHÃO PARA MICHEL TEMER; 2 - JUSTIÇA BLOQUEIA MAIS R$ 140 MILHÕES DO RIO DE JANEIRO, QUE CONFIRMA ATRASO DE SALÁRIO

REDAÇÃO -


O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) marcou para a próxima semana uma acareação entre Otávio Marques de Azevedo, ex-presidente da construtora Andrade Gutierrez e um dos delatores da Lava-Jato, e o ex-ministro Edinho Silva, que foi tesoureiro da campanha da ex-presidente Dilma Rousseff em 2014. Os dois foram chamados para explicar a doação de R$ 1 milhão que a empreiteira fez para a campanha. Em depoimento, o empreiteiro disse que o dinheiro foi repassado ao PT. Mas um cheque apresentado pela defesa de Dilma mostra que a quantia teria passado pelo PMDB.

O empreiteiro declarou em depoimento ao TSE que a Andrade Gutierrez fez doação de R$ 1 milhão ao PT em março de 2014. O valor teria sido pago como parte de um acerto de propina de 1% dos contratos da Andrade com o governo federal. Ainda segundo o delator, como a doação foi feita fora do período eleitoral, esse dinheiro só teria sido transferido do partido para a campanha de Dilma em julho do mesmo ano.

No entanto, a defesa de Dilma apresentou ao tribunal um cheque atestando o repasse de R$ 1 milhão do Diretório Nacional do PMDB para “Eleição 2014 Michel Miguel Elias Temer Lulia vice-presidente” em julho de 2014. Na prestação de contas da campanha, não há qualquer outro registro de movimentação do mesmo valor que tenha passado pelas contas do PT. Além do cheque, a defesa de Dilma também apresentou documentos da prestação de contas de campanha atestando que o PMDB recebeu R$ 1 milhão da Andrade Gutierrez. Há recibo da campanha com o valor e também comprovante de depósito em conta bancária do PMDB.

O cheque nominal para Temer pode derrubar a tese do presidente, que pediu ao TSE que julgue em separado as contas apresentadas pela campanha eleitoral de 2014.Segundo o pedido do presidente, ainda em análise pelo tribunal, as provas que haviam surgido no processo são relacionadas a atos praticados pelo PT e até por Dilma, e não por ele ou pelo PMDB.

A ação que pede a cassação da Chapa Dilma/Temer foi ajuizada pelo PSDB em 2015. Após a derrota de Aécio Neves na eleição de 2014, os tucanos pediram a cassação da chapa com o argumento de que a campanha do PT/ PMDB teria sido financiada com dinheiro desviado do esquema de corrupção da Petrobras.

Segundo o ministro Herman Benjamin, relator do processo que pode resultar na cassação da chapa, há discrepância entre o depoimento prestado pelo empreiteiro e a prestação de contas da campanha. A acareação foi pedida pela defesa de Dilma e foi autorizada pelo ministro. Os depoimentos serão tomados na próxima quinta-feira, em Brasília. (Via O Globo)

***

JUSTIÇA BLOQUEIA MAIS R$ 140 MILHÕES DO RIO, QUE CONFIRMA ATRASO DE SALÁRIO

A União bloqueou hoje (10) mais R$ 140 milhões das contas do Tesouro Estadual do Rio de Janeiro. Ao todo, nesta semana, já foram bloqueados R$ 310 milhões das contas estaduais, segundo informou a Secretaria Estadual de Fazenda.

Dos R$ 140 milhões bloqueados hoje, R$ 81 milhões são referentes à repatriação de recursos do exterior e R$ 59 milhões são do repasse do Fundo de Participação dos Estados. As verbas foram bloqueadas devido a dívidas do estado do Rio com a União.

De acordo com a secretaria, a medida afeta a gestão dos recursos do estado e compromete o pagamento de outubro dos servidores estaduais. A equipe econômica do estado está fazendo uma avaliação sobre o impacto desse novo bloqueio no caixa.

Alerj sente a pressão e devolve para Pezão projeto que onera servidores

Após uma série de protestos de funcionários públicos, que chegaram a invadir o prédio e entrar em confronto com a polícia, a Alerj (Assembleia Legislativa do Rio) devolveu ao governo do Estado o projeto de lei que aumenta a alíquota de desconto previdenciário dos servidores para até 30%. (Via Agência Brasil)