4.11.16

A ENTREGA DO PETRÓLEO NACIONAL E O DESMONTE DA PETROBRÁS

EMANUEL CANCELLA e ARTHUR FERRARI -

Estão tirando o couro dos petroleiros brasileiros.

Sem vergonha e sem pudor não é a nudez dos corpos dos trabalhadores. Quem fica nu publicamente não se propõe a  mentir, a trapacear ou guerrear nos seus atos. A desfaçatez e o descaramento veste a mente dos “bem vestidos governantes” que entregam o petróleo nacional e desmontam a Petrobrás.

Parente atual presidente da Petrobrás, quando ministro foi responsável pelo apagão do sistema elétrico no governo FHC. Agora caminha para ser o presidente de outro infame apagão, este, da soberania nacional do petróleo, no governo tampão de Michel Shell Temer.

Parente, é homem milionário, bem vestido e sempre alinhado a atender os interesses privados mercantis e rentistas imediatos, em detrimento aos interesses nacionais de longo prazo. Sua empresa familiar PRADA é gestora de fortunas financeiras familiares. Seu objetivo é atender ao mercado e a sua gente que vive de renda, dividendos e lucros. Sempre do trabalho alheio.

Os petroleiros não vestem a ideia de negócios da PRADA e frente à desintegração da Petrobrás como principal alavanca do desenvolvimento da indústria nacional do petróleo e geradora de milhões de empregos na sua cadeia de valor - denunciam publicamente ao povo brasileiro este crime de lesa-pátria.

Vejam o desmonte da Petrobrás: a entrega do Pré-Sal, a venda dos seus valiosos ativos e a indecente proposta ao nosso acordo coletivo de trabalho, com reajuste ainda mais rebaixado para os petroleiros aposentados. 

O Beneficio Farmácia, fundamental para a categoria e principalmente para aposentados e pensionistas, na prática, está parado.

Na verdade, este governo temporário, é sem ética sequer para combater a corrupção - vide seus principais nomes estarem seriamente envolvidos em denúncias notórias de corrupção. São entreguistas e pelados moralmente, mas metem a mão no bolso dos petroleiros.

Assim como vários protestos de nudez em todo o mundo. Os petroleiros também farão o seu. Ato de nudismo, vamos chamar assim, pois peladão é uma forma pejorativa. Se pesquisarmos no Google esse tipo de protesto é usado pela sociedade em vários países do mundo e pelas mais diferentes causas. Veja: Bombeiros na Espanha protestam contra o corte no orçamento (2).  “ Os 10 protestos nudistas mais bizarros do mundo (1).”

 Os petroleiros fizeram em 2007 para barrar a discriminação contra os aposentados (reajustes diferenciados, entre ativos e aposentados e pensionistas, através de níveis, abonos, RMNR)  que vinha do governo de FHC e entrava no governo de Lula.

Naquela época foi feito um ofício, em anexo, em forma de ‘ultimato’, caso a companhia não parasse com essa discriminação odiosa, um grupo de trabalhadores, inclusive aposentados, desnudar-se-iam em protesto em frente à empresa. Como a empresa não respondeu ao ‘ultimato’, o ato de protesto foi realizado em frente à sede da companhia e ao Palácio do Planalto.

O protesto correu o mundo e entre outros, temos conosco jornal de pais dos tigres asiáticos que cobriram o protesto. A Petrobrás fez na mídia varias inserções, principalmente na Globo, se colocando como socialmente responsável para se defender do indefensável, a discriminação contra os aposentados que pratica até hoje.

Em 2007 quem fez oposição ao ato de nudismo foi a FUP que explorou nas eleições sindicais e deu com os burros n’água. Diretores que participaram do ato como de Sergipe/Alagoas, PA/AM/MA/AP e Rio de Janeiro ganharam as eleições com folga em seus Sindipetros.

Agora que uma parte do mesmo grupo de nudismo, de forma voluntaria ameaça com um novo ato, caso a companhia não apresente uma nova proposta de ACT que contemple o conjunto da categoria e pare o desmonte do Sistema Petrobrás através da venda de ativos e da entrega do nosso pré-sal. São companheiros do próprio Sindipetro-RJ e da FNP que estão contra o ato dos companheiros de direção.

Além disso, o protesto só acontecerá se a categoria não responder a esses ataques com forte mobilização, principalmente a greve. Se tiver greve os companheiros do ato de nudismo prometem reavaliar o protesto.

Fonte:

*Emanuel Cancella que é da coordenação do Sindipetro-RJ e da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP)  e Arthur Ferrari – Petroleiro com orgulho, há 33 anos.