27.1.17

1 - SECCIONAIS DA OAB EMITEM NOTA DE REPÚDIO CONTRA INDICAÇÃO DE IVES AO STF; 2 - CONTRA OPERADORAS, TV RECORD, SBT E REDETV! NEGOCIAM COM NETFLIX

REDAÇÃO -

Após matéria do Justificando expondo os pensamentos do ministro do Tribunal Superior do Trabalho cotado para o Supremo Tribunal Federal, Ives Gandra Filho, sobre a submissão de mulheres aos maridos, bem como comparando uniões homoafetivas ao bestialismo, as Seccionais do Pará e do Rio de Janeiro emitiram nota de repúdio à indicação do magistrado à vaga de Teori Zavascki.

Em nota, a Seccional do Pará da Ordem dos Advogados do Brasil afirmou que “não é de hoje que o pensamento do Sr. Ives Gandra encontra-se totalmente divorciado da imensa maioria da sociedade brasileira e que, agora, tornou-se público ao defender posições machistas e homofóbicas”.

A OAB/PA ainda destacou a postura patronal do ministro, que não encontro apoio nem entre seus pares – “no âmbito do judiciário, suas posições são reprovadas pela grande maioria dos magistrados trabalhistas e demais operadores do Direito, por atentarem contra a própria Justiça Especializada que preside, atingindo sua infraestrutura e atacando seus princípios fundamentais”.

Já a Seccional do Rio de Janeiro, afirmou em nota a incompatibilidade entre as afirmações de Ives com o Estado Democrático – “Sua visão, revelada em artigo técnico e agora amplamente divulgada pela imprensa, demonstra grave retrocesso quanto aos princípios do Estado democrático de Direito e sério risco à igualdade constitucional de gênero defendida pela OAB”. (...)
(via justificando)

***
Contra operadoras, Record, SBT e RedeTV! negociam com Netflix

A Simba, empresa formada com a participação de SBT, Record e RedeTV iniciou negociações com o Netflix. O objetivo da negociação é que as três emissoras passem a fornecer seus conteúdos próprios para o serviço de streaming.

O objetivo da Simba é contrapor as operadoras de TV por assinatura, que se recusam a remunerar os três canais por seu sinal HD, que são incluídos em pacotes de TV paga.

Se o acordo vingar, o Netflix poderia dispor e remunerar SBT, Record e RedeTV! por programas como novelas, produtos jornalísticos, materiais especiais e linha de shows, entre outros.

Filmes estrangeiros e reality shows cujos formatos pertencem a terceiros ficariam de fora desse conteúdo.

A tática da Simba faz dela uma nova aliada do Netflix, uma das empresas mais “combatidas” pelas operadoras, que a acusam de usar e ocupar banda larga demais com streamings de filmes e seriados e não pagar nada por isso.

Nos bastidores, há meses as operadoras vêm manobrando junto ao governo porque querem cobrar dos assinantes pelo uso excessivo da rede.

As operadoras também tentaram de todas as formas possíveis e legais impedir a criação da pessoa jurídica chamada Simba. Sem sucesso, porém.

Desde 2015 as operadoras perderam quase 1 milhão de assinantes no país, e o serviço de streaming tem sido apontado como um dos bodes expiatórios da retração do mercado.(…) (via uol)