19.2.17

NA AMÉRICA LATINA VIRA-LATAS USAM COLEIRAS

Por SOLANGE RODRIGUES -

Nicolás Maduro, Rafael Correa, Liliana Ayald e Dilma Rousseff.
CNN e a orquestração do golpe na Venezuela.

Até Donald Trump, presidente da potência militar que os vira-latas reverenciam diz a plenos pulmões que a imprensa do seu País, é mentirosa.

Como acreditar que os empregados da CNN, entocados na Venezuela e com ganas para se livrarem do seu presidente Nicolás Maduro, dizem a verdade para o povo venezuelano?

No governo de Obama, em 2016, foi dito que se não conseguissem derrubar Maduro através da imprensa o País seria tomado pelas forças armadas. Como a decisão vazou por jornalistas não domesticados, as armas foram baixadas, mas a propaganda da mídia golpista prosseguia e prossegue a passos largos.

Os golpes contra governos nacionalistas que descem do norte, para derrubar governos em Países da América Latina, encastelam-se sempre no estado independente de suas embaixadas.

Em Honduras, no Paraguai e no Brasil, a escalada para negociar com os golpistas vira-latas foi feita pela Sra embaixadora Liliana Ayald. Pulava como uma cabrita nova de país para país e aonde chegava o golpe era dado. Assim foi no Brasil. O golpe parlamentar, jurídico e midiático se acirrou e triunfou com a cabrita instalada na embaixada em Brasília, pulando e oferecendo benesses como se picada por uma cobra. E realmente a cobra picou o calcanhar da cabrita, com o dinheiro da CIA distribuído fartamente.

Depois do golpe consumado O Globo deu meia página, para a cabrita saltitante pela mordida (em dólares), da cobra dizer como o Brasil é maravilhoso com uma escola de samba homenageando os colonizadores e como foi bom estar no Brasil ouvindo todos falarem inglês e a sonoridade de uma orquestra tocando jaz, quase com a mesma perfeição dos músicos do seu País.

O Presidente do equador Rafael Correa, em 2016, disse não ver nada de mais nos EUA quererem instalar bases em seu País, desde que o Ecuador tivesse a contrapartida, para instalar bases em Miami.

Segundo o Presidente Rafael Correa, nos EUA não tem golpe de estado, porque lá não existe uma embaixada dos EUA.

Agora, com o acordo firmado entre Cuba e os EUA, Cuba já tem em seu território, além de Guantanamo, uma embaixada dos EUA.

Agüenta Isla!

*Solange Rodrigues, Escritora e Jornalista, Coordenadora de Filosofia do IDEA – Programa de TV Canal Universitário de Niterói – Unitevê – Universidade Federal Fluminense – UFF/Fonte: blog Jornal da ABI.

---
[NocauteTV] A política externa brasileira não pode ser feita pela ideologia do complexo de vira-lata