21.3.17

1 - CÁRMEN LÚCIA ANUNCIA QUE VAI SE APOSENTAR NO INÍCIO DE 2018; 2 - BLAIRO MAGGI DIZ QUE BRASIL PODE RETALIAR O CHILE SE SUSPENDER IMPORTAÇÕES DE CARNE

REDAÇÃO -


A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, afirmou nesta segunda-feira, 20, que pretende se aposentar da Corte e que isso deverá ocorrer já no início de 2018.

A ministra afirmou que quer voltar a dar aula na Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC), em Belo Horizonte. Cármen Lúcia é professora licenciada da instituição, lotada na Faculdade Mineira de Direito (FMD).

“Estou com saudades dos meus meninos”, disse, se referindo aos alunos.

A presidente deu palestra em aula inauguração da faculdade na manhã desta segunda. Na chegada à escola, passou por protesto contra o STF e foi chamada por uma manifestante de golpista. A ministra avaliou como normal o protesto.

“É da democracia. Se não fosse aqui, seria na sala de aula”, afirmou. Confirmado o desejo de se aposentar, a ministra não completaria os dois anos de mandato previstos para o cargo. A ministra assumiu o posto em setembro de 2016. (…) (via Exame)

***
Blairo Maggi diz que Brasil pode retaliar o Chile se suspender importações de carne

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, afirmou durante entrevista nesta segunda-feira (20) que o Brasil poderá adotar medidas contra o Chile se o país suspender totalmente a importação de carne brasileira.

Na sexta-feira (17), a Operação Carne Fraca, da Polícia Federal, revelou um esquema de fraude na produção e comercialização do produto. Além de corrupção envolvendo fiscais do Ministério da Agricultura e produtores de carnes, a PF apontou adulteração de produtos e venda de carne vencida e estragada.

O Chile anunciou a suspensão temporária da importação de carne brasileira, mas não informou se suspensão seria somente da compra do produto das 21 empresas investigadas ou se de toda a importação de carne brasileira.

“Daqui para a frente tudo pode, mas nos também temos nossos pontos de argumento e vamos argumentar. Nós somos grande importadores de produtos do Chile, peixes, frutas, e os produtores brasileiros vivem reclamando que deveríamos criar barreiras. O comércio é assim, não tem só bonzinho. Comércio é feito a cotovelada e se eu tiver que ter uma reação mais forte com o Chile eu terei”, declarou o ministro. (via G1)