18.3.17

1 - JBS FOI O MAIOR DOADOR DA CAMPANHA DO MINISTRO DA JUSTIÇA; 2 - LISTA DE JANOT ATUALIZADA: AÉCIO NEVES É O QUE TEM MAIOR NÚMERO DE PEDIDOS DE INVESTIGAÇÃO

REDAÇÃO -

O frigorífico JBS foi o principal doador da campanha do então candidato Osmar Serraglio (PMDB) nas Eleições 2014, de acordo com dados do TSE (Tribnunal Superior Eleitoral). Na ocasião, o atual ministro da Justiça disputava uma vaga na Câmara dos Deputados e, por isso, recebeu R$ 200 mil da empresa.

A doação foi feita, via transferência eletrônica, da empresa para a direção nacional, sendo que o destinatário final era Serraglio. Ao todo, o peemedebista conseguiu juntar R$ 1.495.649,45 na campanha eleitoral daquele ano.

Serraglio apareceu em grampo da PF em diálogo com o líder do esquema criminoso que adulterava produtos alimentícios.

O delegado da PF (Polícia Federal) Maurício Moscardi Grillo afirmou nesta sexta-feira (17), em coletiva de imprensa em Curitiba (PR), que parte do dinheiro arrecadado pelo esquema de corrupção envolvendo fiscais e maiores frigoríficos do País abastecia o PMDB e o PP.

— Dentro da investigação ficava bem claro que uma parte do dinheiro da propina era, sim, revertido para partido político. Caracteristicamente, já foi falado ao longo da investigação dois partidos que ficavam claro: o PP e o PMDB.

O esquema de corrupção foi descoberto pela Operação Carne Fraca, a maior da história da Polícia Federal realizada até hoje. (via R7)

***
Lista de Janot atualizada: Aécio Neves é o que tem maior número de pedidos de investigação

A coluna EXPRESSO mostra que o presidente do PSDB, senador Aécio Neves, é o político de destaque com maior número de pedidos de investigação na lista entregue pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao Supremo Tribunal Federal. Outro senador, Edison Lobão, do PMDB, é suspeito de cobrar R$ 1 milhão da empreiteira. Não há ministros do STF ou do STJ na lista de Janot, mas há pelo menos dois ministros do Tribunal de Contas da União: Raimundo Carreiro e Vital do Rêgo. Carreiro, presidente do TCU, aparece junto com o advogado Tiago Cedraz, filho de outro  ministro Aroldo Cedraz. Tiago é suspeito de receber R$ 1 milhão da Odebrecht para resolver problemas no tribunal. A lista tem espaço também para o deputado Júlio Lopes, do PP do Rio, ex-secretário e próximo do ex-governador Sérgio Cabral, já preso. (via Época)