30.3.17

A INCÓGNITA CHAMADA TSE

HELIO FERNANDES -

O fato de Gilmar Mendes ter marcado o julgamento da chapa vitoriosa em 2014, nada definitivo. Também convocou duas reuniões extraordinárias para o dia seguinte, fato estranho, não incisivo ou conclusivo. Tudo no presidente do TSE, não passa de presunção da verdade.

Apesar desse inesperado açodamento depois de 2 anos, de retardamento deliberado e premeditado, as manobras protelatórias, não podem ser escondidas dos mais atentos. Desde que assumiu a presidência do tribunal, em maio, Gilmar não escondeu qualquer constrangimento ao se exibir publicamente como favorável á absolvição de Michel Temer. Mesmo defendendo a tese, que não se sustenta, de que as campanhas são separadas.

Leia mais na COLUNA