9.3.17

BRASIL ESTÁ NA UTI

Por MAURO RAMOS -


O Produto Interno Bruto (PIB), divulgado na terça-feira (7) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), confirmou o que milhões de trabalhadores sentem na pele todos os dias: a economia brasileira vive a maior crise de sua história. No ano passado, a economia encolheu 3,6%. No acumulado de dois anos, a queda chegou a 7,2%. Desde 1948, quando o IBGE começou a fazer esse tipo de cálculo, é a maior recessão enfrentada pelo País, que nunca havia registrado duas quedas seguidas do PIB..

Voltamos no tempo, retrocedemos. Nossa economia está atualmente no mesmo patamar de 2010. Na prática, o brasileiro está mais pobre. O PIB confirma que a política econômica adotada pelos governantes fracassou – e muito. O caminho até a recuperação ainda vai ser longo. Os números são assustadores. Mais de 2,6 milhões de pessoas perderam o emprego somente entre o fim de 2014 e dezembro de 2016. Cerca de 210 mil lojas fecharam as portas nos últimos dois anos.

Hoje, todo brasileiro tem um familiar ou conhecido desempregado. Essa é a dura realidade do País. Aproximadamente 13 milhões de pessoas estão desocupadas. O Brasil está mal em todas as áreas. Houve recuo na agropecuária (-6,6%), na indústria (-3,8%) e nos serviços (-2,7%).

E nem adianta os governantes quererem colocar a culpa no cenário internacional. Muitas vezes, sempre foi mais fácil usar a crise mundial como desculpa. Agora, toda a responsabilidade é nossa. Entre 38 países que publicaram seus resultados até agora e que representam 80% da economia mundial, o Brasil é o último colocado da lista. É o único do ranking que teve PIB negativo.

Não é de hoje que a situação está fora do controle. A desorganização na economia começou a se acentuar ainda em 2011. O gasto desenfreado de recursos públicos destruiu rapidamente tudo que demorou anos para ser construído com a força do trabalhador.

Milhões de brasileiros estão desempregados há vários anos, sem qualquer perspectiva de mudança. Para alguns setores da economia, não há nem luz no fim do túnel. As duras medidas adotadas pelo atual governo, que está no poder desde maio do ano passado, tiveram, até o momento, pouco efeito para melhorar de fato a vida das pessoas.

As famílias brasileiras continuam sofrendo. As reservas estão evaporando e as dívidas, aumentando. O que deixa o povo ainda mais revoltado é ver todos os dias no noticiário que bilhões de reais foram desviados dos cofres públicos para abastecer esquemas fraudulentos de corrupção que beneficiaram políticos. O pior é que não se trata de um ou outro partido. Praticamente todo o sistema está afundado nesse mar de lama que levou o País à atual situação de grave recessão econômica.

O Brasil é um enfermo na UTI. O quadro é gravíssimo, mas ainda há salvação. O remédio para a cura é dolorido, mas necessário. Passa, sobretudo, pela conscientização de nossos governantes, que precisam conter a ganância e parar de pensar apenas em votos e no benefício próprio e começar a trabalhar para o bem da população. Ao povo cabe o papel, quando estiver diante das urnas, de escolher os verdadeiramente honestos e capazes.

PS: Esse texto foi publicado nessa quinta-feira (9) no Jornal Ipiranga News. É Nossa Opinião a respeito do que está acontecendo com a economia do País e com seus milhões de desempregados.

* Mauro Ramos, jornalista.