5.3.17

FORA JUIZ MORO. GOLPISTA E DEMOLIDOR DA PETROBRÁS!

EMANUEL CANCELLA -


Ele foi mola mestra na derrubada da presidente Dilma. Foi da Lava Jato que saiu, na véspera da eleição, para favorecer o candidato tucano Aécio Neves, a mentira de que Lula e Dilma saberiam da corrupção na Petrobrás (3). Também foi o próprio Moro que, para desgastar Dilma, disse que faltava dinheiro para a Lava Jato, no que foi desmentido pela própria Policia Federal (4).

Dizendo combater a corrupção, durante mais de dois anos, vazou de forma seletiva notícias negativas contra a Petrobrás. E hoje a Lava Jato nada faz diante da gestão criminosa do atual presidente, o tucano Pedro Parente mesmo com denúncia feita em novembro de 2016 ao MPF (6). E o MPF ainda tem o desplante de atacar o denunciante, a pedido do juiz Sérgio Moro, alegando crime contra a honra do servidor público (5).

Parente está fazendo a maior liquidação com os ativos da Petrobrás. Em conluio com o TCU e o MPF, Parente vende tudo e sem licitação, decidindo preço e para quem vender o patrimônio público.

O que torna mais grave a situação é que Parente não é primário. É réu em Ação Popular Nº 2001.71.12.002583-5movida por petroleiro na venda de termoelétrica, no governo de FHC (2).

Como se fosse um bem próprio, parente vendeu agora o campo de Carcará, do pré-sal, a preço de um refrigerante, o barril. Vendeu os dutos do Sudeste, a malha mais rica da Petrobrás. A empresa vai ter doravante que pagar para utilizar esses dutos. Além das vendas já realizadas, como também a da indústria de fertilizantes, usina de biocombustíveis, termoelétricas, Parente ainda anuncia a venda da BR e das refinarias. Parente nega que esteja privatizando a Petrobrás, mas na prática é isso que esta fazendo.

O Pedro Parente, junto com sua esposa, é sócio majoritário de uma empresa que administra fortunas, a Prada.  Parente faz jogo sujo na Petrobrás, pois conhecendo administração, sabe que está prejudicando o Brasil e favorecendo os concorrentes da Petrobrás, em sua maioria estrangeiros (1).

Tanto Moro diz que combate a corrupção como Parente tem o cinismo de dizer que está salvando a Petrobrás.

O juiz Moro, brasileiro, chamou os procuradores estadunidenses para investigar a Petrobrás e ainda mandou os corruptos da Petrobrás testemunharem contra a empresa em tribunais americanos.

Os tucanos sempre quiseram entregar a Petrobrás. Conforme denunciado pelo Wikileaks,  o senador tucano, José Serra, aprovou a lei 4567/16. Serra tinha prometido favorecimento a Chevron, multinacional de petróleo, quando candidato à presidência em 2009. Agora, em 2016, após o golpe,  emplacou a lei que favorece às multinacionais de petróleo e prejudica a Petrobrás.

Na gestão do tucano FHC na Petrobrás tudo foi tentado para privatizar a empresa e não conseguiram. Há várias delações na lava Jato relativas a esse período  mas o juiz Moro também não tomou qualquer providência,  da mesma maneira que nada faz contra a gestão do também tucano Pedro Parente, que está liquidando a Petrobrás.

Fica claro que o juiz Moro, ao invés de se ater à justiça, prioriza a política partidária, perseguindo o PT e blindando o PSDB; e o pior, destruindo a Petrobrás e a economia nacional. Devido a essa operação, já são mais de dois milhões de trabalhadores demitidos e queda de cerca de 5%  no PIB. Através da lei de leniência, Moro poderia prender os executivos corruptos, mas manter as empresas funcionando.  Aliás, isso faria se estivesse defendendo os interesses nacionais!

Se a Lava Jato quisesse realmente combater a corrupção não protegeria FHC e Pedro Parente, que entregam, na Petrobrás, o  patrimônio público, descaradamente. Mais parece que a Lava Jato só quer desmoralizar a empresa para que os tucanos possam repassá-la a seus comparsas.

A lava jato que teria a função de investigar a Petrobrás, dada pela CPI, virou instrumento implacável na perseguição do ex-presidente Lula e de desmanche da economia nacional!

Fonte:

*Emanuel Cancella que é da coordenação do Sindipetro-RJ e da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP) e autor do livro “A outra face de Sérgio Moro”