25.4.17

1 - RJ: ASSOCIAÇÃO DE MAGISTRADOS MARCA ATO CONTRA A REFORMA DA CLT; 2 - POLÍCIA MATA, ROUBA E TORTURA DURANTE O FERIADO NO COMPLEXO DO ALEMÃO [VÍDEO]

REDAÇÃO -


A Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 1ª Região (Amatra1) realiza um ato nesta quarta-feira (26), em frente ao Fórum Trabalhista da Rua do Lavradio no centro do Rio de Janeiro, contra a reforma trabalhista proposta pelo governo Michel Temer.

Unem-se à entidade na mobilização a OAB-RJ, a Associação Carioca de Advogados Trabalhistas (Acat-RJ), a Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho (ANPT), o Sindicato dos Servidores das Justiças Federais do Estado do Rio de Janeiro (Sisejufe) e o Sindicato dos Advogados do Rio de Janeiro.

Ato também ocorre em Vitória - Outra capital também está mobilizada em prol da valorização da Justiça do Trabalho. Também no dia 26 de abril, o Fórum Capixaba Permanente em Defesa da Justiça do trabalho realiza um ato público em frente à sede do TRT-ES, às 13h. Magistrados, servidores, advogados e representantes de classes sindicais estarão reunidos no local.

***
Polícia mata, rouba e tortura durante o feriado no Complexo do Alemão [VÍDEO]

Na última sexta, dia 21 de abril, policiais da UPP do Complexo do Alemão fizeram mais uma operação para a instalação de uma base na localidade conhecida como Praça do Samba. Nas últimas semanas, as casas no local estão sendo invadidas por PMs, moradores são expulsos e suas moradias transformadas em bases improvisadas. Os imóveis que não foram invadidos, encontram-se em estado deplorável, marcados por dezenas de buracos de bala, resultado dos confrontos diários.

Na operação da última sexta, ao menos três pessoas foram assassinadas por PMs, entre elas, o jovem Gustavo Silva, de 17 anos, que abria a padaria onde trabalha, às 6h da manhã; e o soldado do exército, Bruno de Souza, de 24 anos que estava de folga em casa com sua família.

Além das mortes, moradores tiveram suas casas invadidas e reviradas e pertences como, roupas, sapatos e eletrodomésticos foram roubados por policiais. Os agentes de repressão do velho Estado ainda destruíram objetos e urinaram nas camas dos moradores.

No sábado, o Coletivo Papo Reto, que denuncia a ação da polícia no Complexo do Alemão, fez uma agitação na Rua Joaquim de Queiroz em repúdio à ação criminosa da polícia. Policiais estiveram no local para fotografar e intimidar as pessoas que participavam do ato. A massa não se intimidou e expulsou os PMs do local. 

Na segunda-feira, dia 24, às 14h, na Defensoria Pública do Rio, será realizada uma audiência pública para denunciar os casos de violações cometidas pela polícia contra moradores. (via A Nova Democracia)