27.4.17

FRENTISTAS DO MUNICÍPIO DO RJ VOLTAM A NEGOCIAR SALÁRIOS HOJE

Via SINPOSPETRO-RJ -

Os trabalhadores de postos de combustíveis e lojas de conveniência do município do Rio de Janeiro, com data-base em março, se reúnem nesta quinta-feira (27), às 15 h, com os patrões, em mais uma rodada de negociação salarial.


É grande a expectativa em torno da quinta rodada de negociação salarial dos dez mil trabalhadores de postos de combustíveis e lojas de conveniência do município do Rio de Janeiro. As negociações foram abertas em março, mas até agora as empresas não apresentaram uma contraproposta que contemple as necessidades da categoria. A proposta de aumento salarial de 4,75%, apresentada pelo sindicato patronal, foi rejeitada pelo SINPOSPETRO-RJ, que representa os frentistas no Rio.

Segundo o presidente da entidade, Eusébio Pinto Neto, o aumento proposto pelo patrão repõe apenas a inflação acumulada entre março de 2016 e fevereiro de 2017. Eusébio Neto diz que a inflação real no país é bem maior e que o índice oficial não reflete os aumentos de preços nos setores de comércio e serviços. “ Enquanto o governo alega que a inflação está estabilizada, o trabalhador se depara a cada semana com reajustes dos preços nos supermercados. A inflação oficial é uma mentira e não reflete a realidade do país”, completa.

Eusébio Neto espera que os patrões apresentem uma nova proposta na reunião de hoje com aumento real nos salários e novos benefícios. O presidente do SINPOSPETRO-RJ afirma que não vai deixar de lutar pelo vale-refeição, reivindicação antiga da categoria. Ele também reivindica a criação da função caixa, com pagamento de adicional para o funcionário que ficar responsável em receber o dinheiro dos clientes do posto de combustíveis.

REIVINDICAÇÃO

Além do tíquete-refeição e da criação da função caixa, o sindicato exige reajuste salarial de 16,36%, vale-alimentação no valor de R$ 300,00, vale-transporte gratuito e um piso salarial da categoria a título de Participação nos Lucros e Resultados (PLR).

CLÁUSULAS SOCIAIS

Na pauta de reivindicação, o sindicato cobra também das empresas a lavagem dos uniformes dos trabalhadores, como determina o anexo II da NR 9, em vigor desde setembro do ano passado. O sindicato exige o cumprimento da lei que determina o afastamento das funcionárias gestantes e lactantes de qualquer atividade, em locais insalubres ou periculosos, a partir da comunicação do estado de gravidez ao empregador, até a liberação do médico. O SINPOSPETRO-RJ também pleiteia o cumprimento da NR 17, com a colocação de assentos para o trabalhador descansar entre um abastecimento e outro.

SINDICALIZAÇÃO

Em tempos difíceis em que os sindicatos desempenham um papel importante na defesa da categoria, a sindicalização é o caminho para fortalecer as entidades e fazer valer os direitos. O trabalhador sozinho não avança. O setor econômico é cruel. A força do sindicato está na união da categoria. Se o trabalhador se omite das decisões, perde a oportunidade de conquistar melhores condições de trabalho e salário. Esse é o momento de fortalecer o SINPOSPETRO-RJ e fazer valer a voz do frentista.

*Estefania de Castro, assessoria de imprensa Sinposptro-RJ