8.5.17

A FRANÇA ETERNA

HELIO FERNANDES

9,30 da noite de Paris, em matéria de eleição, estava tudo terminado, melhor seria dizer, sepultado. É o que acontece no relacionamento entre os candidatos e o povo. Não existe conexão nem popularidade. E no discurso final, ambos lucrariam se ficassem em silencio. Ela foi derrotada, os que perdem não têm grande audiência.

Ele é vencedor em números, não sabe traduzir isso em imponência, fascínio da palavra, liderança, até emoção. Foi sussurrando, soltando palavras silabadas, que nem eram ouvidas. Nesse tom cansativo, encaixou três frases vulgares e obrigatórias, que nem parecem promessas.

Leia mais na COLUNA