15.5.17

SINPOSPETRO-RJ ENTRA NA JUSTIÇA PARA GARANTIR DIREITOS DOS TRABALHADORES DEMITIDOS PELA REDE FORZA

Via SINPOSPETRO-RJ -

A Justiça do Trabalho do Rio de Janeiro começa a julgar em julho, as primeiras ações de reclamação trabalhista dos ex-funcionários da Rede Forza demitidos sem receber as verbas rescisórias. O departamento jurídico do SINPOSPETRO-RJ entrou na Justiça, na semana passada, com os processos referentes as indenizações trabalhistas.


Os funcionários da Rede Forza, demitidos sem receber as verbas rescisórias, começaram a apresentar ao departamento jurídico do SINPOSPETRO-RJ, os documentos para que os advogados possam dar entrada no processo de reclamação trabalhista. Na semana passada, o jurídico entrou com sete ações na Justiça e as primeiras audiências foram marcadas para julho. Como o protocolo de entrada do processo é feito através de sorteio eletrônico, algumas ações só serão julgadas em outubro.

O Pedido de Tutela antecipada, no entanto, será julgado antes do processo, para que o trabalhador possa ter liberado o seu FGTS, bem como ofício para dar entrada no Seguro Desemprego.

Dos vinte e sete trabalhadores que participaram da assembleia no dia 25 de abril, na sede do sindicato, em Vila Isabel, na Zona Norte do Rio, apenas sete apresentaram toda a documentação para abertura do processo. Em algumas petições há pendência de documentos e o jurídico aguarda a apresentação pelos trabalhadores.

PREJUÍZO

Os trabalhadores foram demitidos em março, sem qualquer comunicado prévio ao sindicato, e sem o pagamento das verbas indenizatórias. A Rede Forza apresentou uma proposta de acordo de indenização, que foi rejeitada pela diretoria do SINPOSPETRO-RJ porque traria prejuízos para o trabalhador.

Na ocasião, os advogados do sindicato explicaram que a proposta feita pela empresa era prejudicial ao trabalhador, já que não apresentava garantias para o pagamento das verbas rescisórias. Segundo o advogado Márcio Porto, se a empresa não cumprisse o acordo, o sindicato não teria como cobrar o pagamento da dívida. O advogado explicou que na Justiça do Trabalho, além das verbas indenizatórias, a empresa terá que pagar um salário a mais de remuneração referente a multa pelo atraso no pagamento da rescisão, conforme determina o artigo 477 da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT).

DEMISSÕES

A Rede Forza dispensou, em março, 60 funcionários sem pagar as verbas rescisórias. Essas demissões somadas as do ano passado, elevam para 320 o número de funcionários dispensados pela Rede Forza em apenas um ano.

BANCO DE EMPREGOS

O sindicato tem um banco de empregos para facilitar a recolocação do frentista no mercado de trabalho. Os trabalhadores que buscam recolocação no mercado podem entrar em contato com o sindicato pelo telefone (21) 2233-9926 ou enviar o currículo para o e-mail homologacao@sinpospetro-rj.org.br

* Estefania de Castro, assessoria de imprensa, Sinpospetro-RJ