20.8.17

1- LAVA JATO QUEBROU AS GRANDES EMPRESAS E BNDES NÃO TEM PROJETOS PARA FINANCIAR; 2- JOVEM QUE ATIROU OVO EM BOLSONARO É VÍTIMA DE FAKE NEWS NAS REDES

REDAÇÃO -

Rabelo e o efeito Lava Jato: sem grandes projetos.
O presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro, criticou hoje a falta de “economicidade” das decisões judiciais e disse que é preciso ensinar economia aos procuradores da Lava Jato. Junto com o baixo apetite das empresas em realizar investimentos, ele citou como um dos motivos para a queda dos financiamentos no País a perda de cadastro no banco por grandes empreiteiras enredadas pela operação que investiga desvios na Petrobras.

“De um lado, falta apetite no setor privado. Do lado dos grandes projetos, eles estão sob o efeito lavajático. Não sobrou praticamente uma única grande empreiteira com cadastro para fazer o próximo negocio dentro do banco”, comentou Rabello em palestra proferida na sede da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). “Estão jogando fora o bebê junto com a água do banho. Não há economicidade nas decisões judiciais”, acrescentou.

Rabello disse que o processo de limpeza do Brasil é “fundamental, imprescindível e inadiável”, mas que é preciso ensinar aos procuradores que “da caneta deles” saem desemprego e fechamento de empresas.

“A punição para o empresário que se envolveu em mal feito é trabalhar mais, associar-se ao País – ao invés de associar-se ao mal feito -, lucrar mais, terminar a obra”, assinalou o presidente do BNDES, que ainda fez um paralelo com a JBS, frigorífico em que o banco é um dos principais acionistas. (…)
(via Estadão)

***
JOVEM QUE ATIROU OVO EM BOLSONARO É VÍTIMA DE FAKE NEWS NAS REDES

A jovem responsável pela ovada contra o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) nesta semana em Ribeirão Preto, interior de São Paulo, vem sendo alvo da onda de ódio dos apoiadores do parlamentar e de notícias falsas nas redes sociais.

Após o escracho, cujo vídeo viralizou nas redes sociais, a autora do ato passou a ser identificada como "Gabi", jovem filiada ao PCdoB. Segundo reportagem do UOL, ela é Gabrielle Van Pelt, vice-presidente regional da UEE (União Estadual dos Estudantes).

"Homofóbico. Você não é bem aceito", gritou a jovem ao jogar o ovo, que se espatifou na roupa do deputado.

Após o episódio, surgiram notícias falsas a seu respeito, como a de que ela foi presa na cidade paulista suspeita de infectar homens e mulheres com Aids. (via 247)