21.9.17

DESVENDANDO UMA IDEOLOGIA E OS CAMINHOS DA BANCA

Por PEDRO AUGUSTO PINHO -


Aos ecologistas, a matança de índios, o desmatamento e o agronegócio; aos bandidos, aos corruptos e marginais, a justiça e a polícia; aos fabricantes de armas, a diplomacia e a pacificação; e o transeunte perplexo ao ver o ladrão perseguindo o guarda exclama: “ai, que estou a ver o filme ao contrário”, como na deliciosa “Crônica dos Bons Malandros”, de Mário Zambujal.

O corajoso, correto e contundente Senador Roberto Requião comparou recentemente, pela redes virtuais, as ações desencadeadas pelos atuais dirigentes às de um mágico; com um braço nos prende a atenção e com outro trabalha a surpresa. No texto em epígrafe, o caro leitor vê a que ponto chega a confusão que a banca, poder mundial, – o Brasil é uma simples colônia onde todos golpistas de 2016 agem em prol do novo Império – implanta nesta fase de doutrinação, em que escravizados lutam pelos interesses escravocratas.

Leia mais em POLÍTICA

* Via e-mail. Pedro Augusto Pinho, avô, administrador aposentado.