11.10.17

1- CAÇA A LULA JÁ ENVOLVE ATÉ BUSCA POR DROGAS COM DENÚNCIA ANÔNIMA; 2- ADVOGADO DENUNCIA “CARÁTER ABUSIVO” DE BUSCA E APREENSÃO NA CASA DE FILHO DO EX-PRESIDENTE

REDAÇÃO -


Não dá trégua a caçada judicial e midiática contra o ex-presidente Lula, que lidera todas as pesquisas de intenção de voto para retornar à Presidência nas eleições do próximo ano.

A Polícia Civil de São Paulo fez nesta terça-feira, 10, uma operação de busca e apreensão na casa do filho ex-presidente Marcos Lula da Silva, que mora em Paulínia (SP). A operação da polícia de Geraldo Alckmin se baseou apenas em uma denúncia anônima, de que no local poderia haver consumo de drogas.

Segundo a colunista Monica Bergamo, nada foi encontrado; policiais se retiraram, mas a mídia já tinha combustível para atacar o ex-presidente.

A presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann, protestou contra a medida. "Tá demais isso. Chega a ser doentio! Uma denúncia anônima, NADA FOI ENCONTRADO*, mas como estampam nos sites e redes é sempre com viés difamatório. Que absurdo!", escreveu Gleisi em seu Facebook.

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) também criticou a operação da Polícia Civil. "É um escândalo. Uma ação tabajara, onde nada foi encontrado, porque o objetivo é explícito: perseguir a família inteira de Lula e transformar a vida de todo mundo em um verdadeiro inferno. Esta ação deve ser repudiada com veemência e o governador Alckmin precisa tomar providências!", disse Lindbergh em vídeo. Assista abaixo (via 247):


***
Advogado de Lula denuncia “caráter abusivo” de busca e apreensão na casa de filho do ex-presidente

O advogado de Lula, Cristiano Zanin Martins, comentou a operação da Polícia Civil na casa de Marcos Lula da Silva em Paulínia, no interior de São Paulo.

Os agentes foram apurar uma denúncia feita por telefone ao Disque Denúncia sobre a presença de drogas.

“A busca e apreensão, feita a partir de denúncia anônima e sem base, não encontrou no local o porte de qualquer bem ou substância ilícita, o que é suficiente para revelar o caráter abusivo da medida.” (via DCM)