24.11.17

1- ADRIANA ANCELMO CHEGA A PRESÍDIO ONDE ESTÁ CABRAL; 2- KÁTIA ABREU: “FUI EXPULSA DO PMDB POIS OUSEI DIZER NÃO A CARGOS, PRIVILÉGIOS OU REGALIAS DO PODER”

REDAÇÃO -


A ex-primeira-dama do Rio Adriana Ancelmo chegou, no início da noite desta quinta-feira (23), à Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica. No mesmo local está seu marido, o ex-governador Sérgio Cabral, e os ex-governadores Anthony e Rosinha Garotinho.

Adriana Ancelmo teve revogada, por determinação do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2), a prisão domiciliar e deixou seu apartamento no Leblon.

Ela chegou em uma viatura da Polícia Federal (PF), às 20h15, e foi hostilizada pelas pessoas que a aguardavam, em frente ao portão principal do presídio.

O relator do processo no TRF2, desembargador Marcelo Granado, considerou que Adriana Ancelmo não pensou no bem-estar dos filhos ao incorrer em atitudes criminosas e pediu a decretação de prisão preventiva dela.

"Foi a própria mãe que por último pensou no bem-estar físico e psicológico dos filhos", destacou Granado, ao concluir a leitura de seu voto, que durou uma hora e quarenta minutos. (Via Repórter da Agência Brasil, por Vladimir Platonow)

***
Kátia Abreu: “Fui expulsa do PMDB pois ousei dizer não a cargos, privilégios ou regalias do poder”

Nota à imprensa da senadora Kátia Abreu
A comissão de ” ética ” do PMDB decidiu pela minha expulsão do partido de Ulisses Guimarães e Tancredo Neves.
Fui expulsa exatamente por não ter feito concessão à ética na política.
Fui expulsa por defender posições que desagradam ao governo.
Fui expulsa pois ousei dizer não a cargos, privilégios ou regalias do poder.
A mesma comissão de ” ética ” não ousou abrir processo contra membros do partido presos por corrupção e crimes contra o país. 
Fiquei no PMDB e não saí como queriam. Fiquei e lutei pela independência de ideias e por acreditar que um partido deve ser um espaço plural de debates. A democracia não aceita a opressão.
Hoje os membros da comissão de ” ética ” imprimiram na história do partido que lutou contra a ditadura, a mácula do sectarismo e da falta de liberdade.
Sigo na luta política.
Sigo com Ética.
Sigo sem medo e firme nos meus propósitos, pois respeito minha família, respeito o povo do Tocantins e do Brasil, que ainda acreditam que esse país pode ser melhor.

Kátia Abreu
Senadora