12.11.17

COMANDO VERMELHO AGORA É O DONO DA "MINA DE OURO"

ALCYR CAVALCANTI -

Rocinha no colo do 'CV' novamente. Os mais de cem pontos de venda de drogas atraem a cobiça das outras redes criminais.


A mais recente "Guerra da Rocinha" não é a primeira nem vai ser a última. As desavenças entre Antônio Bonfim Lopes o Nem e Rogério Avelino o 157, que era homem de total confiança de Nem, começaram há alguns meses e vieram à tona na madrugada de 13 de Agosto com a execução dos três "fiéis" de Nem chefiados por Perninha que iria controlar todo o comércio da Rocinha. Robson Silva o 199, Wellington Nascimento e Ítalo Jesus Campos o Perninha tiveram a ingenuidade (ou coragem) para comunicar as ordens de Nem à Rogério 157, que Perninha era o novo dono do Morro passando todo o lucro para o controle de Nem. A divisão conforme o acerto entre os dois era que os lucros da venda e drogas, a varejo, eram para Rogério e Nem ficaria com a renda de todos os outros tipos de fonte de renda para o narcotráfico como venda de gás, TV a cabo, enfim um "imposto" sobre várias atividades. Mas Rogério quebrou o acordo e ameaçou a mulher de Nem, Danubia e acusou-a de muita interferência nos negócios. Moradores se queixaram de aumento do pedágio e da ganancia de 157 que aumentou os preços do botijão de gás por conta própria. As ordens de dentro do presídio foram ignoradas, mas ainda boa parte da imensa favela era controlada por Parazinho, do grupo de Nem. Parazinho e mais um frente dias depois da execução foram chamados para conversa com 157 para resolver alguns pontos, mas todos sabiam que eles seriam executados. Não foram ao encontro com a morte e saíram da Rocinha para uma das muitas localidades controladas pela rede criminal Amigos dos Amigos-ADA. Muitos narcotraficantes seguiram o mesmo destino, saíram para não morrer.

A Rocinha já havia mudado de lado no "reinado" de Luciano Barbosa o Lulu irmão mais novo de Cassiano que foi um dos chefes do morro em 1988 controlado à distancia por Denir Leandro o Denys. As bocas de fumo da Rocinha eram a menina dos olhos do Comando Vermelho pela sua localização e seu fácil acesso, mas uma série de desavenças entre Fernandinho Beira-Mar e Denys que culminaram com o assassinato de Denys dentro do presídio em janeiro de 2001 acabaram forçando a um rompimento. Denys era idolatrado por boa parte da localidade e Luciano não aceitava o assassinato do mais que um chefe, um quase irmão e não nutria nenhuma simpatia por Beira-Mar. As exigências de mais dinheiro do lucro dos pontos de venda para o Comando e a excessiva centralização das enormes cargas de cocaína e maconha por parte de Beira-Mar que queria ser o único fornecedor precipitaram o rompimento.


Uma nova "Guerra" era inevitável e veio em uma Semana Santa. Até a entrega para a policia  de dois homens de Beira- Mar o chileno Carlos Vidal e Jorge Candido o Sombra que teriam sido  entregues "de bandeja" por Zarur a situação estava sob controle, mas Luciano ficou sabendo que os dois viriam com a missão de executa-lo e deu as ordens para o "justiçamento". Carlos Vidal chamado de Gringo era uma espécie de porta-voz de Beira-Mar nas favelas controladas pelo CV. Mais uma entre as inúmeras "Guerras" internas para a tomada dos pontos de venda veio e durou alguns dias. Foi em uma Sexta-Feira da Paixão dia 09/04/2004 que o inferno começou. A Via Sacra da Rocinha, uma tradição da comunidade foi seguida por noites seguidas de terror.  Depois de muitos tiros, quatorze mortos, muitos feridos  e alguns dias que pareciam séculos Eduíno Eustáquio o Dudu ferido na perna fugiu pela parte alta mas prometeu voltar. A vitória e o "reinado" de Luciano durou somente mais alguns dias, atraiçoado por seus "fiéis", em realidade simples traidores, Luciano junto com  seu amigo Ricardo Didão segundo relato de vários moradores foi executado em sua casa no Laboriaux mesmo tendo se rendido,  mas prevalece a versão oficial de um grande confronto. O morro todo desceu para seu sepultamento, muitos ainda não sabiam, ou preferiram não acreditar que o morro agora era um feudo da ADA e faziam a sigla CV com as mãos. Luciano era um "cria do morro" de uma linhagem nobre dentro do narcotráfico, era irmão de Cassiano e Conde e fazia a política da distribuição de alimentos tradição que vinha desde a época de Denys e ajudava os moradores com presentes ou mesmo dinheiro em época de festas.

Algumas escaramuças se repetiram durante estes anos mas o atual "Racha" parece que tem sido e vai ser o pior de todos. Com a invasão há mais de mês de um bonde de mais de 120 homens de várias favelas sob o domínio da ADA e as seguidas invasões das Forças de Segurança Rogério 157 "mudou de lado" e foi pedir asilo em morros sob o controle do Comando Vermelho. Muitos soldados do CV e principalmente muitos fuzis de assalto chegaram no morro, junto com uma violência desenfreada. Os frentes do Comando Vermelho tem agido de forma extremamente violenta para ter o controle total dos mais de cento e vinte pontos de venda de drogas, além das inúmeras esticas pelos bairros próximos Mas nos dias dos novos tempos da pós-modernidade outras fontes de renda vem trazer lucros talvez maiores se somados. Transporte alternativo, circulação de bebidas, distribuição de gás, algumas ou muitas lideranças comunitárias enfim tudo na "Maior Favela da América do Sul" voltou a ser controlado pela mais antiga rede criminal, o Comando Vermelho-CV. Quem conseguir sobreviver vai contar (ou não) mais uma "Guerra da Rocinha", onde no final das contas todos sairão derrotados.