29.1.18

1- TRABALHO INTERMITENTE CONTRATA 6 MIL. 'ACORDOS' DEMITEM 7 MIL; 2- O POVO ACORDOU E SE MULTIPLICAM AS MANIFESTAÇÕES EM DEFESA DA DEMOCRACIA [VÍDEO]

REDAÇÃO -

Criado com a "reforma" da legislação trabalhista e apresentado como uma das "soluções" para o desemprego, o trabalho intermitente teve 2.851 admitidos e 277 dispensados apenas em dezembro. Incluído em novembro, quando a Lei 13.467 entrou em vigor, são 5.971 admitidos e 330 dispensados, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (26) pelo Ministério do Trabalho, como parte do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).


Enquanto o trabalho intermitente, que sindicalistas chamam de "legalização do bico", não chegou a criar 6 mil empregos temporários em novembro e dezembro e já dispensou 300, os "acordos" entre patrão e empregado para dispensa do trabalhador somaram perto de 7 mil (6.696) nesses 2 meses. Essa modalidade, também prevista na "reforma", permite a dispensa por comum acordo, em que o trabalhador abre mão de parte de suas verbas rescisórias.

Isso aconteceu, principalmente, com ocupações de menor remuneração, como auxiliares de escritório e assistentes administrativos. Também atingiu alimentadores de linha de produção, motoristas de ônibus e de caminhão, operadores de caixa e faxineiros, entre outras. Homens na maioria (58,6%) e de 30 a 49 anos (50,1%) e com até 2º grau completo (58,2%). Já no trabalho intermitente, mais de dois terços (3.903) são assistentes de vendas, 57% são mulheres, 64% têm até 29 anos e 84% têm até o 2º grau completo.

Responsável por acompanhar as movimentações do mercado de trabalho, o Ministério do Trabalho completa 1 mês sem titular. Em 27 de dezembro, Ronaldo Nogueira pediu exoneração para retomar sua vaga na Câmara dos Deputados pelo PTB-RS. Nomeada por Michel Temer no início de janeiro, a também deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) não conseguiu tomar posse por seguidas decisões judiciais. Agora, o caso está no Supremo Tribunal Federal. (via DIAP, com informações do RBA)

***
O povo acordou e se multiplicam as manifestações em defesa da democracia

Nesta análise, o jornalista Joaquim de Carvalho mostra as manifestações que se multiplicam pelo país, em defesa da democracia e do direito de Lula se candidatar a presidente. (via DCM)