11.2.18

CULTURICIDA TIRANDO A FANTASIA

LUIZ ANTONIO SIMAS -


Nós temos na prefeitura do Rio de Janeiro um sujeito que comandou por dez anos rituais de exorcismo na África e aos 40 anos escreveu que "as tradições africanas permitem toda sorte de comportamento imoral, até mesmo com crianças de colo" e que "o diabo tem usado a palavra ‘tradição’, na África, como um belo embrulho de presente para disfarçar toda uma pilha de rituais perversos".

Em um de seus livros, deu ainda o seguinte conselho a quem tem objetos sagrados africanos, afro-brasileiros, hindus ou indígenas: "Quebre completamente todos os laços com o seu passado. Destrua ou leve para a igreja todos os objetivos de feitiçaria, mutis, roupas, fotos, ossos, ishobas e etc., para que os pastores destruam." As frases estão no livro Evangelizando a África, lançado pela Editora Gráfica Universal, edição de 2002.

Vocês queriam que uma criatura dessas - um exorcista - ficasse feliz no carnaval? Isso é a maior aberração da história do Rio de Janeiro desde Estácio de Sá.

Brincar carnaval é a maior das subversões contra esse culturicida que, tirando foto ao lado do Rei Momo, parece tão confortável quanto uma cebola roxa em uma salada de frutas. Tem gente que não sabe qual é a importância do carnaval para a cidade. O prefeito sabe direitinho. (via Facebook)