13.2.18

O CÉU E O INFERNO DAS NARRATIVAS ELABORADAS PARA MANIPULAR COM CHOQUES O PÚBLICO

ANDRÉ MOREAU -


Exibindo toda a perspicácia da sua equipe em matéria de narrativa discricionária (12), muito comum em O Globo nos anos de chumbo quando enfiaram na cabeça dos incautos que Comunista comia criancinhas, o JN tentou colocar o público contra os manifestantes anti-golpistas que vem participando dos blocos de rua e freqüentam o Sambódromo: o citado telejornal foi aberto falando em arrastões enquanto exibia cenas de supostos assaltos na Zona Sul do Rio, incitando junto a classe média, maior aversão aos pobres.

A abertura do noticiário sobre o Carnaval de 2018 foi feita com a seguinte colocação discricionária: a grande vitória para a maioria das escolas de Samba parece ser, não deixar o público perceber que faltaram recursos para as escolas de Samba.

Qual o sentido dessa conclusão, feita antes de falar sobre as irretocáveis apresentações das escolas Paraíso do Tuiuti e Estação Primeira da Mangueira?

Cumpre ressaltar que os melhores momentos dos respectivos desfiles foram ocultados.

Antes de dar seqüência às transmissões dos desfiles das escolas de Samba, os telespectadores que não desfrutam de melhores opções, assistiram mais um capítulo da telenovela das trapaças familiares, que envolve o judiciário e setores da polícia em corrupções visando favorecer a posse indevida de uma mina de esmeraldas. 

Ao estilo Romeu e Julieta - o bem e o mal -, a trama incute as seguintes fantasias: as pessoas menos favorecidas podem se tornar ricas se tiverem sorte, ou quando a justiça for feita e de forma subliminar, incita o ódio ao pobre que alçou o estágio da classe média baixa.

Para completar o quadro audiovisual de perigosas manipulações, quem imaginou assistir o desfile das escolas de Samba desde o início, não por acaso transmitido com exclusividade pelas Organizações Globo, teve que assistir o BBB - Big Brother Brasil -, jogo entre pessoas que se dispõem a ser segregadas e induzidas por questionamentos do apresentador, a disputar quem é a mais correta, a partir de acusações morais, na maioria dos casos ofensivas.

E esse é mais um choque lançado contra o povo para que ele não se dê conta de que foi transformado pelo capitalismo em um mero objeto de um patrão que o escraviza para engordar seu bolso.

* André Moreau, é Professor, Jornalista, Cineasta, Coordenador-Geral da Pastoral de Inclusão dos "D" Eficientes nas Artes (Pastoral IDEA), Diretor do IDEA, Programa de TV transmitido pela Unitevê - Canal Universitário de Niterói e Coordenador da Chapa Villa-Lobos - ABI - Associação Brasileira de imprensa, arbitrariamente impedida de concorrer à direção nas eleições de 2016/2019.