27.3.18

1- OAB-RJ PEDE INVESTIGAÇÃO DE ‘ADVOGADOS DO CRIME’; 2- A DESONESTIDADE INTELECTUAL DE PADILHA E O SILÊNCIO DE WAGNER MOURA E DOS ATORES DO ‘MECANISMO’

REDAÇÃO -

A Ordem dos Advogados do Brasil do Rio de Janeiro (OAB-RJ) defendeu nesta segunda-feira (26) a investigação de advogados usados por traficantes para repassar recados aos criminosos. Em nota, a entidade critica as gravações de conversas entre advogados e clientes, mas frisou que "profissionais que cruzam a linha e tornam-se cúmplices de criminosos, devem ser investigados e processados".

Segundo o texto, "algumas autoridades da República defendem que a comunicação entre advogados e clientes presos seja gravada. Há delegados que usam grampos de conversas de clientes e seus procuradores para instrução de inquéritos. Até juízes que ordenam grampos em telefones de escritórios de advocacia. Exemplos como esses, todos com resposta firme e proporcional ao dano causado, seja pelas seccionais da OAB ou por nosso Conselho Federal, são casos que deixam clara a intenção que vigora: relativizar o princípio da ampla defesa e criminalizar a advocacia".

"Que cada advogado tenha certeza que a OAB está pronta para defender seus direitos de forma intransigente. Não negociaremos com nossas prerrogativas. As exceções, profissionais que cruzam a linha e tornam-se cúmplices de criminosos, devem ser investigados e processados", diz a nota da OAB-RJ.

O sistema prisional do estado passará por um pente fino, segundo informações do Globo. A "operação" será feita com base em investigações da Polícia Civil, que tiveram interceptação de ligações telefônicas dentro de celas e revelaram que chefões do narcotráfico usam advogados para se comunicar com as ruas. O entra e sai de representantes legais dos detentos está no foco da intervenção.

O caso mais conhecido e recente foi o da advogada Beatriz da Silva Costa de Souza. Presa em outubro de 2017, ela é acusada de usar as prerrogativas profissionais para transmitir informações dos clientes, como os traficantes Marcinho VP e My Thor, que estão em presídios federais, a criminosos que ainda dominam favelas do estado. (Rio247)

***
A desonestidade intelectual de Padilha e o silêncio de Wagner Moura e dos atores do ‘Mecanismo’

A nova série de José Padilha – “O Mecanismo”, disponível na Netflix -, vem dando o que falar na imprensa e nas redes sociais.

Até a Marina Silva – aquela beata que só aparece de quatro em quatro anos – teve a pachorra de usar a execução de Marielle Franco para promover a vergonhosa série em seu Facebook (ainda não sabemos a troco de quê, mas, decerto, não foi um merchandising gratuito).

A série gira em torno da Operação Lava Jato – como se o filme “A Lei é para todos” (risos para esse título) já não fosse suficientemente vergonhoso para o cinema brasileiro.

Leia mais no DCM, por Nathalí Macedo.