6.8.18

OS 5 PRIMEIROS ENTREVISTADOS NA TV, FRACASSO DE COMPETÊNCIA E DE AUDIÊNCIA

HELIO FERNANDES -


Eram 9 entrevistadores, não queriam esclarecer e sim enfurecer. Também não queriam nem aparecer, se omitiram. Visivelmente sabiam que a audiência era pífia. Alem da coordenadora, por obrigação, apenas 2 tentaram participar, o que se repetiu nos 5 shows frustrados. Noves fora, era isso mesmo o que pretendiam. Os perguntadores, que deviam representar os eleitores, (que já dormiam àquela hora tardia) se exibiam constrangidos e tímidos nos 5 dias marcados para o espetáculo.

Começaram com Álvaro Dias, boa figura, mas candidato apenas da fusão esdrúxula do Executivo com o Legislativo, o que só acontece no Brasil. Seu mandato no senado vai até 2022. Candidata-se "de graça" a presidente, perde, volta para o senado. Passou em branco.

Marina e Ciro, os dois melhores candidatos, com chances reais de chegarem ao segundo turno, já foram analisados por mim, que registrei o fato de terem sido constrangidos e até hostilizados. Era uma decisão coletiva e ostensiva dos entrevistadores, sem eficiência, esse programa não vai esclarecer derrotar ou eleger ninguém.

1989 está muito longe, 29 anos. Nessa época, praticaram a traição jornalística de denunciar com estardalhaço, que Lula tinha uma filha fora do casamento. Agora, conspiram para ele ficar inelegível.

Os dois últimos ouvidos, foram o inexpressivo Alckmin e o repulsivo politicamente, Bolsonaro. Corresponderam ao que se esperava deles, mas não foram contestados. Interrogaram o ex-governador pelo fato de estar sendo apoiado por 32 corruptos do centrão. “Começou a responder, como dizia Olavo Bilac. Foi interrompido pelo Gabeira; ''Nós cobramos corrupção, o senhor vem com poesia.” Todos riram, ele acabou.

PS- Não vou perder tempo com o Bolsonaro. Podia ter sido massacrado o tempo todo.
PS2- Principalmente quando disse que ia privatizar a Petrobras e outras barbaridades.

O FRACASSO DAS ENTREVISTAS DA TV

Já registrei que as 5 entrevistas da Globonews, marcaram total insucesso por falta de competência e de audiência. O horário, terminando ás 24,30, contribuiu para que entrevistados e entrevistadores, falassem para eles mesmos. (Meia noite é um horário dominado e pago pelos evangélicos, com dinheiro "tomado" dos incautos).

No dia seguinte sábado, tentaram recuperar a repercussão, destinaram 10 horas seguidas para repetir as 5 entrevistas de 2 horas cada uma. Novo vazio. Podiam ter visto pelo menos a do capitão Bolsonaro. Constatariam a subserviência da televisão ao candidato medíocre e falastrão. A Globo acredita que ele pode ganhar?

O OBSCURO E INÓCUO ALCKMIN

Morou no Palácio Bandeirante de1994 a 2006, amparado e coadjuvante de Mario Covas, a quem sucedeu. Saiu para disputar a presidência, 12 anos sem deixar marca da sua passagem. Governador outra vez em 2010, repete tudo 18 anos depois para segunda derrota. Ridicularizado na entrevista dos presidenciáveis, sai dali, direto para a exibição da falta de convicção.

Desesperado com a falta de vice, todos recusaram seu convite, procura a senadora Ana Amélia, sem votos, sem convicção, de extrema direita. Estava conversando com Bolsonaro, abandona tudo, aceita ser vice de Alckmin. Começou a carreira como apresentadora de TV, acaba como quase vice.

Alckmin ainda tem uma ultima tentativa eleitoral. Candidato a prefeito de SP. A maior cidade do país, o terceiro orçamento da República. Logo ali, 2020.