3.12.18

SINDICALISMO MUNDIAL EXPRESSA SOLIDARIEDADE COM OS TRABALHADORES DA GOODYEAR DO MÉXICO

REDAÇÃO -

Representantes dos sindicatos da Alemanha, Brasil, Canadá, Estados Unidos, Indonésia e África do Sul, expressaram solidariedade com os trabalhadores demitidos na fábrica da Goodyear em São Luis Potosi, no México e concordaram em realizar ações unificadas para ter a reintegração dos trabalhadores.


Dos 58 trabalhadores que foram demitidos pela Goodyear no México estiveram na reunião com a delegação internacional, realizado em 28 de novembro na Cidade do México.

Eles explicaram que a empresa violou acordo onde se comprometia a não efetuar represálias contra os trabalhadores que desenvolveram uma greve em abril, para exigir melhores condições de higiene e segurança e, por sua vez, repudiar o contrato coletivo de proteção do empregador imposto pela empresa através do sindicato CTM, encabeçado por Tereso Medina. A empresa demitiu aqueles que lideraram a ação.

“Em 9 de julho a empresa rompeu o compromisso e nos demitiu. Nós exigimos uma justificativa. Muitos disseram que era para reestruturação, mais líderes sindicais, como eu, disseram que era para eliminar o movimento sindical democrático e independente que estava se formando na Goodyear”, disse Pablo, um dos trabalhadores demitidos.

Enquanto isso, o assessor, Francisco Retama, explicou que os trabalhadores querem continuar a formação da nova organização sindical democrática e independente. Para isso, eles vão tentar ganhar a propriedade da lei de contrato na empresa:

“Existe uma dificuldade no México para exercer a contratação coletiva genuína. Buscamos que para a primeira metade do ano próximo, os companheiros podem demandar a titularidade do contrato coletivo na Goodyear. Este processo jurídico no México tem outras condiçõespara desenvolver-se, graças as expectativas que tem milhões de trabalhadores ante a mudança de governo, quando ocorrerá a posse do presidente eleito Andrés Manuel López Obrador, em 1 de dezembro. O caso da Goodyear pode se tornar um emblema, e é por isso que a campanha é importante.”

Por sua vez, o diretor da IndustriALL, Tom Grinter acrescentou:

“Nós, da IndustriALL, seguimos com a campanha de sindicalização em Potosi, a greve e o compromisso da empresa que não iria demiti-los se encerrassem a greve. A empresa quebrou seu compromisso e demitiu pessoas. Nós enviamos uma carta, mas nos ignoraram. Todos aqui têm que dar apoio e solidariedade aos trabalhadores da Goodyear no México que estão passando por um ataque aos seus direitos trabalhistas.”

Leo Gerard, presidente da USW concluiu:

“Não é somente um ataque aos trabalhadores da Goodyear México, mas é um ataque aos trabalhadores da Goodyear em todo o mundo. Além das terríveis condições de trabalho, os salários que eles pagam no México é uma desgraça. Estamos dispostos a trabalhar em um plano para trazer especialistas para fazer treinamento, em saúde e segurança e campanhas para salários dignos, e vamos pedir a IndustriALL para nos ajudar a promover a campanha em todo o mundo.”

Finalmente, os trabalhadores assinaram simbolicamente uma bandeira em solidariedade com os trabalhadores da Goodyear no México e reforçaram seu compromisso de ajudá-los.

Fonte: Mundo Sindical com informação da IndustrALL