21.1.19

POESIAS: A PUTA ÍNTIMA; A DANAÇÃO DA CARNE

MARCELO MÁRIO DE MELO -

A Puta íntima.


A terapeuta
não solta a puta
nem se descola.

As duas
nos desvãos
e nos divãs
dentro de si.

Anamnese
diagnóstico
prognóstico
profilaxia
puta vestida
de freirinha.

Batalha vã
a puta irrompe plena
em arreganho
ou asfixia
nos atos falhos
de todo santo dia.

***
A DANAÇÃO DA CARNE

Danada é a coceira
da descarada carne
descaradaMente (?)
poros abertos
pernas
abertas/fechadas
flechadas
fachadas
carne/com
sem
mesa
bandeja
couvert puritano
refreando
a fome visceral
o prato principal.

Carne crua
postas
dispostas
no fogo do desejo
carne de churrasco
explícita
sem nada ter
do que se defender.

Carne escancarada
num ser que
sente
fala
sussurra
grita
diz
ou não diz:
eu quero a sua carne!