15.2.19

A VALE, VALE MAIS QUE CENTENAS DE MORTOS EM SEU LAMAÇAL

MIRSON MURAD -


O presidente da Vale, mineradora que hoje é pertencente a alienígenas e, em cujas mãos grandes seu domínio foi um presente, não foi vendida, ou melhor; foi trocada por uma banana madura, declarou que a Vale é uma jóia e não pode ser criminalizada pelo ocorrido em Brumadinho. Ele tem razão. Centenas de pessoas assassinadas (sim não foi um desastre foi assassinato em série), não valem nada, não é mesmo? É por essa e muitas outras iguais que a Vale quer fazer acordo de indenização bem generosa. Para cada criatura humana morta, a poderosa jóia (leia-se Vale) quer indenizar seus familiares com um picolé bem gostoso de maracujá que tem o poder de acalmar os nervos. É pegar ou largar. Quem não aceitar chupar o picolé vai ficar "ad eternum" chupando o dedo, exatamente igual às vítimas de Mariana. Quanto ao gigantesco desastre ecológico, aí a coisa é outra. Nenhum peixe, nenhuma árvore reclamou. Se reclamarem a Vale (jóia) sentará para negociar com os prejudicados diretamente, sem intermediário. É incrível! mas no Brasil os Naias pululam cada vez mais. A lei maior em Pindorama é: "Manda quem pode, obedece quem tem juízo". Aliás, a culpa é dos mortos que não tinham nada de estar lá naquele momento. Bem feito! Não é verdade?