17.2.19

CARIOCAS BOTAM SEUS BLOCOS NAS RUAS, O MANICÔMIO GERAL VAI PASSAR NINGUÉM VAI CENSURAR NOSSA ALEGRIA!

ALCYR CAVALCANTI -

As fortes  chuvas que atormentaram a vida dos cariocas resolveram dar uma trégua e mais de quinze blocos deram início ao ancestral "Tríduo de Momo" agora transformado em folia de verão. Em vários bairros da cidade o carioca deixou de lado as mazelas que têm castigado os moradores da "cidade maravilhosa" e caíram no samba. O Imprensa que eu Gamo, a Desliga da Justiça, o Spanta Neném,  a tradicional Banda de Ipanema além de blocos na Tijuca e no Méier entraram na batucada pela  noite a dentro. A Banda de Ipanema fundada nos anos 60, homenageou o compositor Paulinho da Viola, um dos maiores compositores da Música Popular Brasileira.


O tradicional "Imprensa que eu Gamo" fundado pelo Sindicato dos Jornalistas e que hoje atrai foliões de toda a cidade teve seu samba enredo " A Pauta Hoje é Democracia", um lembrete a todos aqueles que sentem saudades de dias sombrios de muita treva e muita dor e tentam produzir uma outra versão da história . Mas já estamos em clima de folia,  vamos espantar as tristezas e vamos todos cantar o samba do Imprensa que eu Gamo : "Nesse mar de Lama não vou me calar. Eu sou Imprensa, tem de respeitar. Ninguém vai censurar a nossa alegria, a Pauta hoje é Democracia". A alegria dos blocos de rua continua com o Volta Alice, Foliões do Rio, Banda da Saens Pena, Demora Estácio entre muitos outros.

O prefeito Marcelo Crivella ao tentar impor uma camisa de força ao Carnaval Carioca esquece que o ciclo carnavalesco é um "caos organizado" com suas próprias leis sob o Império da Folia, onde existe somente um rei que se chama Momo, o nosso soberano. Afinal para conseguir suportar as ordens de Brasília, de um juiz local e de um alcaide que parece doente do pé só caindo na grande ilusão do Carnaval.Vamos festejar, enquanto o caos organizado durar e cantar também o belo poema de Chico Buarque "Vai Passar", hino já tradicional neste Sanatório Geral.