27.5.19

VIVA JANICE JAPIASSU!

MARCELO MÁRIO DE MELO -

Expresso a tristeza pela morte da amiga Janice Japiassu, que entre outras maravilhas, escreveu o livro Veredas da Alegria. "Tudo o que de mim se perde/acrescenta-se ao que sou", disse Ferreira Gullar. Vivamos os acréscimos de Janice a esta vida. Com a sua poesia e a sua alma larga e generosa.


VIAJANDO NAS VEREDAS DA ALEGRIA (Marcelo Mário de Melo)

A Janice Japiassu, poeta pernambucana (3/8/1939 – 10/5/2019)

Massagens encantadas de poesia:
maldade que Janice Japiassu me fez
ler Veredas da Alegria viajando num ônibus
querendo pular pela janelinha
correr nas campinas
cavalgar no lombo dos bichos de estrada
subir nas árvores e nos capôs dos carros
morder as frutas dos tabuleiros
puxar as roupas dos varais
levantar as saias das mulheres
derreter as armas dos policiais
fazer caramelos com as pedras da rua
dançar com os pingos de chuva
escalar raios de sol
rebolar em capuchos de nuvem
brincar de escorrego na meia-lua
farinhar estrelas nas pessoas
desenrolar o carretel das tristezas
e fazer pula-corda
batendo palmas floradas.

Ai! Veredas da Alegria:
um circo de chuva com sol
fazendo fogueiras de riso
um sopro de lágrima e luz
sussurrando cantigas no sonho.

[Publicado no livro Os colares e as contas, Funcultura-PE 2012]

O SOL (Janice Japíassu)

A cada dia um novo SOL renasce.
Um outro modo de aspirar a luz 
um novo cheiro dos cipós do mato.
Outro silêncio, novos corpos nus.
A espontaneidade dos meninos 
banhados pelo sol da novidade. 
Sem críticas, suspeitas, desatinos.

O SOL, somente o SOL, e a claridade 
o lúdico dançar da natureza 
o canto das folhagens e das águas 
o abraço sem temor e sem recusas 
o riso isento de abandono e mágoa.
Anjo do dia desfazendo as sombras
SOL do Amor que chega e mais enlaça.