4.7.19

MORO, TRIPUDIADO PELA OPOSIÇÃO, DEFENDIDO TIMIDAMENTE PELA SITUAÇÃO

HELIO FERNANDES -


As perguntas foram contundentes, acachapantes, irrespondíveis. E ele respondeu muito pouco, fugiu totalmente, em quase 8 horas.130 deputados estavam inscritos, só 29 fulminaram o ex-magistrado. Apenas 12 do governo (desgoverno) fingiram estar a favor. Indispensável: Moro cancelou o depoimento, afirmou ter uma viagem inadiável.

Realmente viajou. Para os EUA, só ficou lá 48 horas, voltou, remarcou a ida á Câmara (CCJ). Esses fatos estranhos, junto com as incessantes idas e ligações com os EUA, alimentaram mais do que sussurros de bastidores. Três constatações inegáveis, irrefutáveis, irrevogáveis.

1- A lava-Jato foi um sucesso estrondoso, enquanto Moro foi apenas magistrado. Competente e independente.

2-Tudo isso se modificou, quando o magistrado aceitou convite do candidato Bolsonaro para jantar na sua casa, só os dois. Como em qualquer encontro é preciso testemunha, levaram um dos filhos do candidato, o senador. (Este confirmou tudo e o acordo, "ninguém falou em ir para o Supremo". O acordo era mais amplo e fascinante). Como vazou, Moro respondeu aleatoriamente: "Continuarei magistrado, não farei carreira política". Fez. Dizem que Bolsonaro deve a vitoria ao guro-ideologo, ao "bispo" Malafaia, ás redes sociais. Nada disso. Deve a Moro, que eliminou o candidato que ganharia dele, o ex-presidente Lula.

3- Ha mais de 1 ano os advogados de Lula foram á justiça, denunciando a parcialidade de Moro, pedindo o seu afastamento do processo. O STF está com Moro na pauta, julgando-o por PARCIALIDADE. Está programado para 1 de agosto, quando acaba o recesso.

PS- Existem fortes possibilidades dele ser CONDENADO.

PS2- Só que no STF, possibilidade, nada a ver com realidade ou credibilidade.