19.2.16

O CAPITALISMO EM VERSÃO CONDENSADÍSSIMA

ILUSKA LOPES -


A liberdade de ir e vir, de comércio, de consumo, de culto, de expressão e até de emprego foram inovações tão tremendamente promissoras na história humana que, apesar da enxurrada de camponeses pobres que jorrava aos borbotões para as grandes cidades, onde formariam a massa de trabalhadores subassalariados necessária para impulsionar o capitalismo, terminaram por apressar o declínio da monarquia e do feudalismo.

O protagonismo moral, a ideia de que era possível construir uma sociedade centrada na iniciativa privada, no predomínio do indivíduo sobre a coletividade, anulou a percepção de que a maior parte da sociedade deveria permanecer excluída do sonho devido à sua posição subalterna na divisão social do trabalho.

A promessa de um novo mundo sem coerções tornou-se realidade, porém, para os proprietários que puderam transformar em capital a potente força muscular dos camponeses expulsos dos feudos. A estes restou um poderoso aparato ideológico: a ideia de que o trabalho duro, produtivo, a produção organizada e sistemática de mais-valia, permitiria galgar os muitos degraus da escada para o sucesso.

Todos os elementos constituintes da dinâmica social, desde a religião ao universo jurídico e o próprio Estado, trataram de reformular-se para conferir autenticidade à ideologia. Desde então, a criminalização da violência entre os mais pobres tornou-se tão pedagógica quanto a associação moderna entre a igualdade, a liberdade e a fraternidade como a marca dos homens de bem, a elite educada para conduzir o Estado e desenvolver a sociedade.

O protagonismo moral das classes ricas, sua honestidade e suas passeatas pela paz são estratégias para a renovação do pacto social - são formas de afirmar, no inconsciente coletivo, a necessidade da sua posição no mundo do trabalho ao mesmo tempo em que mantém (porque necessitam manter) as razões sociais que produzem a contradição na base produtiva, e, com ela, do crime.

É pela mesma razão que a marca de todas as oligarquias, em todos os países, continua sendo o que sempre foi: o combate sem trégua ao que denominam de "avanço populista" sobre "as instituições democráticas".

Toda forma de protagonismo moral que se abstrai da crítica às condições materiais que demandam a imoralidade é não apenas cega e capenga - é uma contribuição sincera para promover mudanças que mantém as coisas como estão apesar de parecer o contrário.